Suzane von Richthofen foi punida com a perda de três saídas temporárias após participar de uma festa de casamento em Taubaté (cerca de 150 km de São Paulo), durante "saidinha" para o Natal, em dezembro do ano passado. Segundo o portal R7, em fevereiro deste ano, a juíza Wania Regina da Cunha, da Vara de Execuções Criminais de Taubaté, entendeu que Suzane cometera falta grave ao deixar a prisão e não seguir para o local indicado, na capital paulista, suspendendo, então o benefício da saída temporária. Todavia, a 5ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) cancelou a punição dada a Richthofen.

Publicidade
Publicidade

Habeas Corpus interposto pela defesa

A 5ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP julgou habeas corpus interposto pela defesa de Suzane e cancelou a punição que a mesma havia recebido. Por esse motivo, ela deve passar o Dia das Mães fora da prisão. Segundo o portal G1, além do Dia das Mães, Suzane também deverá usufruir do benefício no Dia dos Pais e no período entre o Natal e o Ano Novo. O despacho que autoriza as saídas temporárias foi assinado pelo relator Damião Cogan.

Publicidade

Na decisão da última quarta-feira (17), que reformou decisão de primeira instância, o magistrado considerou que a juíza plantonista, Sueli Zeraik, restabeleceu o benefício à época, por não considerar que Suzane havia infringido alguma regra da saidinha. No habeas corpus, a Defensoria argumentou que não houve descumprimento nas imposições fixadas, pois eram ausentes previsões que impedissem a detenta de participar de eventos sociais, como casamentos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Televisão

A Defensoria enfatizou, também, que Suzane trabalha no presídio e tem bom comportamento. Detentos do regime semiaberto, como é o caso de Suzane, devem informar à Justiça o endereço fixo que irão permanecer entre 22h e 6h.

Condenação pelo assassinato dos pais

Suzane von Richthofen foi acusada e condenada pelo assassinato dos pais, caso de grande repercussão e comoção nacional. Suzane foi condenada por ser mentora intelectual da morte dos próprios pais, Manfred e Marísia von Richthofen, com a ajuda dos irmãos Daniel e Cristian Cravinhos, respectivamente seu ex-namorado e ex-cunhado.

Dos três condenados, apenas Daniel saiu da prisão e cumpre pena em regime aberto. Em outubro de 2002, Suzane foi condenada a 39 anos de prisão, dos quais já cumpriu 16 anos.

O G1 procurou o Ministério Público em São Paulo para obter informações de suposto recurso por parte do órgão, mas até o momento não recebeu retorno. Já a Defensoria informou que não pode fornecer maiores informações sobre o processo, tendo em vista que o mesmo tramita em segredo de Justiça.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo