Para combater o vírus da Zika a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou o uso de mosquitos geneticamente modificados (transgênicos). A sugestão divide a opinião dos cientistas, parte deles acredita que pode ser uma boa estratégia e parte deles acredita que o uso de animais modificados pode ser um perigo ao meio ambiente e consequentemente à saúde pública.

A produção dos mosquitos Aedes Aegypt modificados foi aprovada em 2014 pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), no entanto ainda não pode ser comercializado. Aqui no Brasil a Anvisa ainda tem dúvidas de como enquadrar o produto.

Os mosquitos transgênicos produzidos pela multinacional britânica Oxitec são machos que quando cruzam com as fêmeas geram mosquitos que não sobrevivem ao estágio larval, ou seja, eles nunca chegam a ser mosquitos de fato.

Assim, não podem transmitir nenhuma das doenças como a Dengue, zika ou chicungunha.

O que tem causado dúvidas sobre o grupo de cientistas é que ainda não se sabe como o mosquito modificado agiria solto no meio ambiente, talvez eles morram antes mesmo de procriar.

Segundo dados da Oxitec, os testes realizados aqui no Brasil desde 2011, nas cidades de Juazeiro- BA e Piracicaba - SP, têm rendido resultados satisfatórios. Aproximadamente 20 milhões da nova espécie foram usadas aqui no Brasil nas fases de teste, já que a venda ainda não é autorizada.

A recomendação da OMS provavelmente está tentando acelerar a liberação do comércio, pois há o interesse em expandir as áreas tratadas com o novo mosquito.

O Estado da Bahia já demonstrou interesse em expandir a região do teste e o estado do Mato Grosso do Sul também já está verificando a possibilidade de implantação.

Os melhores vídeos do dia

Já em Piracicaba ambientalistas estão entraram com uma ação na Promotoria para certificar de que os resultados são realmente satisfatórios antes de ampliarem a área de testes.

Prós e Contras

Pontos positivos:

  • O mosquito não permite a transmissão de doenças como a dengue, zika e chicungunha.
  • Provável diminuição da população selvagem do mosquito Aedes Aegypt.
  • O mosquito modificado depois de solto vive apenas de dois a quatro dias.
  • O mosquito modificado não possui nenhuma toxina que causa alergia em humanos e em outros animais.

Pontos negativos:

  • As cidades que usam essa estratégia ficariam dependentes do fornecedor para controlar os mosquitos selvagens e a transmissão das doenças.
  • Ainda não se sabe como o mosquito modificado se comporta no ambiente.
  • Os cientistas ainda não têm dados que confirmem o convívio e a relação entre os machos modificados e as fêmeas selvagens.