Darwin já dizia: todos os seres evoluem conforme o ambiente em que vivem; modificações estruturais acontecem conforme a necessidade exige; características sem utilidade de sobrevivência tendem a desaparecer com o tempo; todo e qualquer organismo que não se adapta ao ambiente em que vive, também tende a desaparecer. É claro que não é porque você vive em uma cidade fria, que seu filho será resistente ao frio. Não obstante, é possível que daqui a centenas de anos, se, e só se, seus filhos, netos e bisnetos, continuarem a viver em ambientes frios, gradualmente um ser mais resiste ao frio comece a surgir.

A isso, Darwin chamou de seleção natural: um mecanismo de todos os seres vivos que “seguram” características importantes para a sobrevivência e “descartam” características sem utilidade, transmitindo para as próximas gerações apenas aspectos necessários. A curto prazo, nem eu, nem você, nem seus filhos ou bisnetos, veremos essas mudanças morfológicas acontecerem. Mas é bastante provável que em um futuro muito distante, a estrutura física humana que conhecemos hoje, faça parte apenas de uma etapa da evolução humana.

E quem sabe ainda, nós façamos parte daquela fase em que “os humanos passavam muito tempo sentados”, “muito tempo encarando máquinas” e “muito tempo sozinhos”.

A seguir, você confere 5 mudanças que provavelmente acontecerão com a espécie humana dentro de milhares de anos (todas cientificamente plausíveis):

1 – Cada vez mais carecas

A primeira diferença que se nota ao se comparar os primeiros hominídeos e o homem moderno é ausência de pelos. No princípio, quando “roupas” não faziam parte nem da imaginação dos hominídeos o corpo necessitava inteiramente de si mesmo para se proteger do frio, desta maneira, desenvolveram-se os pelos.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Relacionamento Curiosidades

Conforme a evolução progrediu, e surgiram às roupas, cada vez menos necessitamos de pelos, ou seja, eles perderam o sentido evolucional. Por isso, a ciência afirma: daqui a milhares de anos (a não ser que nos tornemos uma civilização de pelados) os seres humanos serão totalmente carecas.

2 – Cada vez mais altos

Já é sabido que a altura média dos seres humanos aumentou cerca de 10 centímetros nos últimos 200 anos. De acordo com pesquisas recentes, esse padrão deverá permanecer. O crescimento necessita de energia, e a energia provém da alimentação.

Nas próximas centenas de anos, a ciência acredita que a fome será quase totalmente erradicada, fato que será benéfico ao crescimento físico, o que, consequentemente, transformará o ser humano em seres gigantes.

3 – Dentes e bocas pequenas

Atualmente nossos dentes medem metade do que mediam a centenas de anos. Por quê? Hoje praticamente levamos o alimento cortado à boca, minimizando imensamente o trabalho dos dentes. Em um sentido evolucional, não há mais a necessidade de dentes enormes e fortes, por isso, cientistas acreditam que os dentes devem diminuir, bem como os maxilares e a boca.

4 – Cabeça menor

Essa mudança justifica-se basicamente pela mesma razão dos dentes: falta de necessidade. Pare e pense: quantos números de celular você tem memorizado? Quantos cálculos matemáticos você faz totalmente com a cabeça? Quantos endereços completos você sabe? Pois é. Se hoje já somos dependentes de muitas máquinas, imagine daqui a centenas de anos. A quantidade de neurônios e consequentemente o tamanho da cabeça, poderá diminuir significativamente.

5 – Fraco e sem músculos

De tempos em tempos surge uma nova tecnologia que diminui a nossa necessidade de fazer esforço (controle remoto, elevador, carro, etc.).

Consequência disso é uma tremenda atrofia muscular, onde o ser humano do futuro não terá mais força física.

Em suma, imagine: careca, muito alto, com boca e cabeça pequena e fisicamente fraquíssimo. Não parece bonito, mas um dia será o modelo de um ser humano. Estima-se que essas mudanças ocorrerão dentro dos próximos 1000 anos (a não ser, é claro, que a gente se autodestrua até lá).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo