Morreu no dia 19 de agosto de 2017 a cantora #Bea Wain, uma das últimas lady-crooner da era de ouro das Big Bands, ela estava com 100 anos de idade.

Beatrice Weinsier nasceu em 30 de abril de 1917, no Bronx, em Nova York. Aos 6 anos de idade, começou a cantar no rádio, no programa NBC Children’s Hour. Bea foi crescendo artisticamente, cantando no rádio e em casas noturnas de Nova York, até que em 1937 foi contratada como vocalista da orquestra de Larry Clinton.

Larry Clinton nunca alcançou a popularidade de nomes como Glenn Miller, Tommy Dorsey ou Benny Goodman, mas duas das canções gravadas com Bea fizeram muito sucesso, especialmente em máquinas jukeboxes, são elas “Deep Purple” e “Heart and Soul

Em 1937, ela gravou um disco com Artie Shaw, sendo creditada com Beatrice Wayne.

Posteriormente, a gravadora encurtou seu nome para “Bea”, por causa do espaço ocupado no selo do disco. A contragosto, ela teve que aceitar a mudança de seu nome artístico, afinal, ela estava em começo de carreira e nada podia fazer contra as decisões das grandes gravadoras.

Por um curto período, Bea Wain foi uma das mais populares cantoras do rádio norte-americano, sendo eleita pela revista Billboard como a vocalista feminina mais popular no ano de 1939. Neste mesmo ano, no auge da fama, ela deixou Larry Clinton para dedicar-se a sua carreira solo. Passou então a ser cantora regular no programa “Your Hit Parade”, onde cantou diversas vezes com o amigo Frank Sinatra. Ela teve quatro músicas em primeiro lugar nas paradas de sucesso, foram elas: “Cry, Baby, Cry”, “Deep Purple”, “Heart and Soul”, e “My Reverie”.

Em maio de 1938 ela casou-se com o locutor de rádio Andre Baruch, com quem ficou casada por 53 anos, até a morte dele em 1991. Com o marido apresentou um programa radiofônico chamado “Mr. And Mrs. Music”, que durou até a década de 50. Mais tarde, eles apresentaram um programa de músicas e entrevistas em uma rádio de Palm Beach, na Flórida.

No cinema, Bea Wain não teve grandes oportunidades. Ela apareceu em dois curta metragens musicais, os chamados sondies, que eram exibidos em feiras e antes das sessões cinematográficas. Ambos os curtas, Larry Clinton & His Orchestra (1939) e The Dipsy Doodler (1940) foram feitos enquanto a cantora ainda fazia parte do conjunto de Larry Clinton. Bea ainda apareceria em Upbeat in Music (1943), um documentário sobre os grandes cantores e conjuntos do rádio da época.

Bea Wain cantando Body and Soul no filme Larry Clinton & His Orchestra (1939)

Ela nunca deixou de cantar, e em 1994 Luciano Pavarotti, em turnê pelos Estados Unidos, a procurou. Ele era um grande fã da cantora, em particular da canção “Martha”. Juntos, fizeram alguns duetos, por diversão.

Bea Wain cantando alguns de seus sucessos em 1983

Em 19 de agosto de 2017, a cantora faleceu em uma clínica de repouso em Beverly Hills, aos 100 anos de idade.

#Obituário