Estigmatizadas e buscadas, desprezadas e desejadas, as garotas de programa marcam a história humana há, literalmente, milênios. A atividade possui um passado interessante, que se confunde com o desenvolvimento da humanidade, e um futuro que, certamente, será atingido pelas tendências mais amplas que já começam a sacudir o mercado de trabalho e reconfigurar as interações humanas. A seguir, estão mencionados alguns fatos sobre a evolução da #prostituição e sobre suas possibilidades para o futuro, que a maior parte das pessoas desconhece.

1 - Nas brumas da história

A prática da prostituição é um fenômeno cuja origem, para usar um velho clichê, perde-se nas brumas da história.

Basta dizer que documentos da civilização Suméria datados do vigésimo quarto século antes de Cristo já as listam entre outros profissionais como médicos, escribas e cozinheiros. Talvez, a prostituição não mereça literalmente o eufemismo muito usado de "a profissão mais antiga", mas ela certamente chega perto disso.

2 – Algumas prostitutas eram mais iguais do que as outras

Na Inglaterra da Era Vitoriana, o fenômeno da prostituição era marcado por uma divisão de classes. Havias as prostitutas pertencentes às classes mais pobres da sociedade, que atendiam os clientes dos bordéis e eram obrigadas a aceitar quaisquer clientes que lhes fossem designados. Havia outras que eram mais independentes, encontravam os clientes nas ruas, atendiam-nos em suas próprias casas e podiam também rejeitar quem não quisessem.

Os melhores vídeos do dia

Por fim, no topo dessa hierarquia, havia as garotas de programa que atendiam as classes mais abastadas, inclusive membros do Parlamento e nobres. Algumas delas até atendiam com exclusividade algum figurão.

3 - Exames obrigatórios

Ainda na Era Vitoriana inglesa, os jovens membros das forças armadas formavam um dos grupos mais numerosos a frequentar os bordéis. Em 1862, uma comissão foi nomeada para examinar o problema da disseminação de doenças sexualmente transmissíveis nas forças armadas. Para diminuir o risco de contaminação dos militares, uma lei, Ato de Doenças Contagiosas determinava que, em cidades próximas de bases da Marinha ou cidades com forte presença do Exército, qualquer mulher - #Garota de programa ou não - sobre a qual pesasse a suspeita de possuir uma doença venérea podia ser examinada medicamente. Se confirmada a suspeita, a mulher podia ser confinada em um hospital.

4 - Mais ou menos ilegal

A lei japonesa proíbe a venda de serviços sexuais que envolvam penetração. Fora disso, o comércio é basicamente livre.

Um exemplo mais ou menos respeitável de atividade permitida é o das mulheres, geralmente jovens e bonita, que são pagas para fazer companhia a homens e flertar com eles em clubes ou bares.

5 - Choque de futuro

Especialistas acreditam que a prostituição pode ser outra atividade humana a cair vítima dos avanços tecnológicos. Segundo eles, mulheres digitais logo alcançarão os níveis de "humanidade", realismo e interatividade necessários para satisfazer sexual e psicologicamente os clientes. #sexo