Após literalmente pararem o Brasil em 2018 por conta de uma greve que foi aderida pela grande maioria dos caminhoneiros de carga do país, a classe dos caminhoneiros estaria se mobilizando novamente para uma paralisação no próximo dia 30 de março.

A articulação que teria iniciado por meio de uma troca de mensagens no WhatsApp, passou a ser monitorada pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional), setor responsável por investigar e antecipar fatos que possam causar problemas para o Governo.

Paralisação de caminhoneiros pode acontecer por conta do não cumprimento de compromissos assumidos pelo governo

O governo brasileiro vem acompanhando atentamente as primeiras movimentações dos caminhoneiros no país, que ameaçam dar início a nova paralisação.

A decisão estaria sendo discutida pela classe por conta do não cumprimento de alguns compromissos assumidos pelo governo do ex-presidente Michel Temer em 2018.

As investigações realizadas pelo Gabinete de Segurança Institucional apontam o início de uma articulação por meio de mensagens na internet, que já começam a falar em paralisações de caminhoneiros para o próximo dia 30 deste mês. O governo, porém, deseja evitar, a todo custo, que qualquer tipo de paralisação de fato aconteça e culmine com todos os transtornos causados durante a greve realizada pela classe no ano passado.

Caminhoneiros buscam o cumprimento de três pautas prometidas no governo Temer

No decorrer desta última semana, o presidente das associações Abrava e BrasCoop, Wallace Landim, que é o atual representante da classe de caminhoneiros do Brasil, se reuniu com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, com a diretoria da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e também conversou com Marcelo Sampaio importante nome do Ministério da Infraestrutura.

Lutando por melhores condições de trabalho e rentabilidade, a classe reivindica o cumprimento de ações, tais como ao piso mínimo da tabela de frete.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo Negócios

A segunda reivindicação da classe que está em pauta é o preço cobrado pelo óleo diesel, que sofre alterações diárias.

Wallace Landim revelou que não é a favor de uma paralisação no próximo dia 30 de março, mas frisou que paralisações não estão descartadas e que a classe dos caminhoneiros segue conversando com líderes do governo.

Até a próxima semana, o presidente da República, Jair Bolsonaro deverá se manifestar a respeito das solicitações feitas pelos caminhoneiros

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo