O Governo do Rio Grande do Sul revelou grande apreensão por parte dos agricultores do Estado com a chegada de uma nuvem de gafanhotos vinda da Argentina, contendo milhões de insetos.

Um plano de contingência agressivo, que está sendo elaborado, inclui a permissão do uso de defensivos agrícolas antes proibidos pelas autoridades locais. À emissora de televisão CNN Brasil, Covatti Filho, secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do governo gaúcho, disse que a administração trabalha em conjunto com o Ministério da Agricultura e que há um estudo para a publicação de decreto de alerta no Estado.

Segundo o secretário, a promulgação permitirá o uso de recursos financeiros oriundos dos orçamentos do governo do RS e também da União, via ministério.

Além do uso de verbas públicas, Covatti admitiu a implementação de defensivos agrícolas no combate à nuvem de gafanhotos que se aproxima da região. Parcerias com entidades privadas especializadas na eliminação de pragas também poderão ser realizadas pelo governo do Rio Grande do Sul.

Os agricultores gaúchos estão muito apreensivos, pois o último verão resultou em grandes prejuízos à classe por conta do longo período de estiagem que atingiu as plantações do Estado. A seca resultou em uma safra frustrada e a chegada do inverno pode fazer os trabalhadores rurais recuperarem parte das perdas sofridas.

Incertezas sobre quando e por onde chegará a tal nuvem de gafanhotos ao território gaúcho é mais um ponto que deixa autoridades e agricultores em alerta total.

Nuvem desviada para o Uruguai

A previsão inicial era de que os insetos chegariam ao sul do país pela cidade de Uruguaiana, extremo sul do Estado, e também pelo noroeste gaúcho, por Missões, ainda nesta semana, mas correntes de ventos os desviaram para o Uruguai.

O sinal de vigilância foi acionado pelos dirigentes e agricultores gaúchos quando o governo argentino divulgou um alerta de perigo na fronteira do país com o Brasil, pelo Estado do Rio Grande do Sul. Segundo a Argentina, o número de insetos dentro da nuvem, que se move em velocidade surpreendente –a depender das condições climáticas e dos ventos– pode ultrapassar a marca de 40 milhões de gafanhotos.

O governo brasileiro está monitorando o deslocamento da nuvem de gafanhotos e a ministra Teresa Cristina (DEM), da pasta da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, disse que, segundo as previsões meteorológicas para os próximos dias, é pouco provável que a praga chegue a território brasileiro, mas que, mesmo assim, todas as providências para a redução dos impactos às plantações em solo nacional já estão sendo tomadas.

Siga a página Governo
Seguir
Siga a página Negócios
Seguir
Siga a página Natureza
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!