Rafael Henzel, um dos seis sobreviventes do desastre aéreo que matou praticamente todo o time da Chapecoense, além de dirigentes e jornalistas, em novembro de 2016, morreu nesta terça-feira (26), na cidade de Chapecó, no oeste de Santa Catarina, vitimado por um infarto. Ele deixa esposa e filha.

O jornalista, que tinha 46 anos, jogava Futebol, atividade que praticava toda terça-feira, quando começou a se sentir mal.

Publicidade
Publicidade

Ainda com sinais de vida foi levado ao hospital, mas não resistiu e veio à óbito. Um ano após sobreviver ao desastre aéreo, o jornalista havia voltado à sua rotina normal de trabalho, na rádio Oeste Capital, onde mais cedo havia apresentado seu programa.

Em 2017, ano seguinte a tragédia, ele lançou o livro “Viva Como se Estivesse de Partida”, onde relatou o acidente e trouxe mensagens de importância à vida.

Publicidade

Ele também ministrava palestras motivacionais.

Nesta quarta-feira (27), Rafael estava escalado para mais um jogo da Chape, que será contra o Criciúma, pela terceira fase da Copa do Brasil. O corpo do jornalista será velado no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes, que fica ao lado do estádio da Chapecoense, a Arena Condá.

O acidente

Henzel estava a bordo do voo da LaMia, que transportava a delegação da Chapecoense, além de jornalistas, para a Colômbia, onde o time enfrentaria o Atlético Nacional pelo primeiro jogo da final Copa Sul-Americana 2016.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol

Por falta de combustível, o avião caiu perto do aeroporto, na cidade de Rionegro, matando 71 pessoas. Além do jornalista, dois tripulantes e os jogadores Jackson Follmann, Alan Ruschel e Neto sobreviveram a tragédia, ocorrida em 28 de novembro.

Clubes demostram solidariedade

Após a confirmação da morte do jornalista, vários clubes se manifestaram por meio das redes sociais emitindo notas de pesar.

A Chapecoense, time o qual ele acompanhava e esteve junto na tragédia que se abateu sobre o clube em 2016, destacou que Henzel se tornou um símbolo na reconstrução do clube e sempre haverá a lembrança de seu exemplo de superação.

Outro clube catarinense a se manifestar foi o Figueirense, que lembrou das vezes que Henzel esteve no Orlando Scarpelli para exercer sua profissão. O Joinville, o Blumenau e a Federação Catarinense de Futebol também manifestaram notas de pesar.

Publicidade

Times de outros estados, como Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Grêmio, CBR e Bahia também prestaram solidariedade aos familiares e fãs do jornalista.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo