Terminou de forma melancólica a edição 2019 da Liga Paulista de Futsal. Na tarde deste domingo (15), no Ginásio Vlamir Marques, no Parque São Jorge, em São Paulo, Corinthians e Magnus Futsal decidiam o título do torneio, quando no começo do segundo tempo, uma troca de agressões entre jogadores das duas equipes causou tumulto entre membros das duas equipes. Alegando falta de segurança, o time de Sorocaba se retirou de quadra e o alvinegro foi declarado campeão.

Os times decidiam o jogo em partida única e o primeiro tempo transcorreu normalmente, mas acabou terminando sem que nenhuma das equipes balançasse as redes.

Na etapa complementar, em um lance sem bola, Renatinho, do Corinthians, e Titi, do Magnus, se estranharam em outro ponto da quadra.

O fato fez com que jogadores reservas e membros das duas comissões técnicas invadissem a quadra e o que se viu foi um tumulto generalizado, que durou cerca de cinco minutos. Acalmado os ânimos, a arbitragem chamou os dois atletas pivôs da confusão e deu cartão vermelho para ambos.

Eles deixavam a quadra praticamente juntos, quando na saída, Renatinho, que vinha atrás, deu um empurrão em Titi.

Isso gerou num novo tumulto, agora próximo da entrada dos vestiários e os seguranças do Corinthians tiveram que intervir. Os jogadores do Magnus foram para os vestiários e a diretoria do clube alegando falta de segurança se recusou a voltar para o jogo, que ainda seguia empatado em 0 a 0.

A organização da Liga Paulista aguardou por meia hora o retorno do time sorocabano, fato que não ocorreu. Sendo assim, o Corinthians foi considerado o vencedor, levando o título pelo segundo ano consecutivo.

No ano passado, a final havia sido entre os dois times, que também recentemente decidiram o Campeonato Paulista, que voltou a ser realizado nesta temporada, novamente com vitória alvinegra.

Jogador do Corinthians se desculpa

Em entrevista ao canal por assinatura BandSports, que transmitia a partida, Renatinho, se desculpou pelos seus atos, mas cobrou a mesma atitude do jogador adversário, afirmando que ele tinha que ter hombridade para pedir desculpas pelo que fez e falou, se revelar o que o atleta do Magnus lhe disse.

“O menino (jogador do Magnus) tem que ter hombridade de pedir desculpa pelo que fez e falou”, disse.

Gestor do Magnus diz que não havia segurança

Fellipe Drommond presidente do Magnus Futsal lamentou os incidentes, lembrando que os atletas são exemplos para crianças e jovens e que não podem incitar a violência.

Ele defendeu a posição de sua equipe em deixar a quadra por considerar que não existiam garantias de segurança para seguir com o jogo. “Como gestor não posso permitir que os jogadores tenham sua integridade física em risco”, afirmou.

Siga a página Corinthians
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!