A motociclista dominicana radicada no Brasil Indy Muñoz, de 29 anos, morreu na tarde deste domingo (15), após sofrer um grave acidente durante a primeira etapa da Goiás Superbike, categoria 600 cilindradas, disputada neste domingo, no Autódromo Ayrton Senna, em Goiânia.

O evento era realizado com portões fechados, devido à pandemia do coronavírus. De acordo com informações de quem pode acompanhar a prova, ela se acidentou ao não conseguir fazer uma curva zero. A moto ainda teria caído sobre ela, lhe causando lesões.

A jovem piloto foi socorrida e encaminhada ao Hospital de Urgência de Goiânia, onde teria chegado com vida, mas morreu enquanto era submetida a uma operação de emergência. Ela havia sofrido politrauma severo com múltiplas paradas cardiorrespiratórias. A equipe médica ainda tentou reanimá-la, mas sem sucesso.

A morte da piloto ocorreu às 14h. Um membro da família de Indy confirmou a morte motociclista.

Em nota oficial, a Secretaria de Esportes e Lazer de Goiânia se manifestou a respeito da fatalidade.

O texto informava que Indy era uma piloto experiente e ressaltou que o autódromo cumpre e está em dia com as normas de segurança.

Outro piloto morreu na mesma curva em 2019

Esse é o segundo acidente fatal de Motociclismo ocorrido nesta pista em menos de um ano e nesta mesma curva. Em agosto de 2019, o Welles Lins de Carvalho Balbino morreu após se acidentar em uma prova válida pela 3ª etapa do Goiás SuperBike.

Coincidentemente, o acidente se deu na mesma curva em que Indy passou reto neste domingo. Na ocasião Welles, que competia pela categoria SBK Escola 1000cc, também não conseguiu tangenciar a curva, passou direto e bateu violentamente no guard rail. Por cerca de 40 minutos a equipe médica ainda tentou reanimar o piloto, que não resistiu aos ferimentos.

Interlagos teve quatro fatalidades

Desde o início do ano passado, o motociclismo brasileiro vem sofrendo com fatalidades.

Antes da morte de Welles, outros dois pilotos haviam perdido a vida em competições oficiais.

O primeiro deles foi Maurício Paludete, conhecido no meio do motociclismo como “Linguiça”. Em maio, durante a 2ª etapa da Superbike Brasil, ele sofreu um forte acidente no “S” do Senna, no autódromo de Interlagos. Ele havia acabado de cruzar a linha de chegada. A pista estava molhada por conta das chuvas.

No mês seguinte, em maio, também na pista paulistana, a vítima foi Danilo Berto, que se acidentou na curva do Pinheirinho e não resistiu aos ferimentos.

Nos anos anteriores, Interlagos registrou outras duas mortes de motociclistas.

Rogério Munera também faleceu logo após um acidente na altura do "S" do Senna, em 2018. No ano anterior, Sérgio dos Santos bateu na proteção de pneus da Curva do Sol e morreu no hospital.

Não perca a nossa página no Facebook!