O assunto, claro, está diretamente ligado ao andamento dos casos de coronavírus nos próximos meses, mas, nos bastidores, os clubes articulam a viabilidade do retorno de público aos estádios, que, inicialmente, seria limitado entre 30% a 50% das capacidades dos locais onde seriam realizadas as partidas. A medida só seria adotada a partir de novembro, já prevendo as futuras críticas que deverão vir por parte da sociedade e até de órgãos da imprensa.

Apesar de a pandemia ainda estar bem ativa no Brasil, o retorno dos torcedores está na pauta das conversas porque, nesse começo de Campeonato Brasileiro, os clubes participantes acumularam um prejuízo muito próximo dos R$ 3 milhões com taxas de arbitragem, aluguel de campo, testes para exame antidoping e para a Covid-19 sem ter qualquer tipo de receita da bilheteria.

Com os impostos e despesas operacionais mais altas do território nacional, os clubes do Rio de Janeiro, por exemplo, gastam, em média, mais de R$ 100 mil para organizar uma partida neste ano de 2020,

Um dos maiores defensores da presença da torcida nas arquibancadas, o Flamengo projetava, no início desse ano, aproveitando o momento mágico vivido em 2019, quando conquistou quase tudo, faturar mais de R$ 100 milhões em seus jogos, como mandante, no Maracanã, somando-se bilhetes negociados e outros serviços operacionais, como bares.e estacionamento.

Além do Brasileirão, a volta do público se estenderia àos confrontos da Copa do Brasil, da Taça Libertadores da América e da Copa Sul-Americana. Assim como ocorreu no caso das retomadas dos Estaduais, acredita-se que haverá muita pressão nos bastidores para a medida ser aprovada.

CBF cria público digital para estimular torcedor

Para atenuar um pouco a frustração do torcedor por não poder prestigiar, in loco, o seu time, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) lançou o “público digital”, plataforma na qual se permite a compra de ingressos virtuais das partidas da Série A do Campeonato Brasileiro.

A compra desses bilhetes é feita no site oficial da CBF e só é possível duas horas antes do início do jogo do time. O torcedor que participar da brincadeira tem direito a concorrer a prêmios distribuídos pela entidade e os patrocinadores do Brasileirão.

A venda de ingressos virtuais foi uma das atitudes tomadas por diversos clubes durante o recesso do futebol brasileiro, aproveitando as transmissões de jogos históricos por parte das emissoras abertas.

O Fluminense, por exemplo, adotou a estratégia nas exibições, da Band, do clássico contra o Flamengo, quando assegurou o título do Campeonato Carioca de 1995 pela Band, e, da Globo, da vitória de 3 a 2 sobre o Palmeiras, resultado que, na ocasião, assegurou, ao Tricolor, a conquista do Brasileirão de 2012, e na partida contra o Volta Redonda, no Nilton Santos, na reabertura do Campeonato Carioca de 2020.

Siga a página Futebol
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!