A Polícia Civil prendeu nesta quarta-feira (21) um casal suspeito de matar uma criança de apenas 1 anos e 10 meses na cidade de Pirituba, no Ceará. Após o crime, o corpo da pequena Maria Esther Farias Campelo foi jogado em um matagal da região.

Os suspeitos pelo crime seriam a mãe da criança, Ana Cristina Farias Campelo, e o padrasto, Franciel Lopes de Macedo, que depois de cometerem o assassinato, compareceram na noite desta terça-feira (20) na delegacia de polícia para registrar o desaparecimento da menina, mencionando que ela teria sido sequestrada no município de Maracanaú.

No dia seguinte, o corpo da criança acabou sendo encontrado envolto a um lençol em um matagal nas proximidades da estrada dos macacos, no bairro de Bom Retiro, em Pirituba.

Em uma entrevista, a irmã do suspeito mencionou que os familiares suspeitavam que a menina estaria sendo agredida por conta de manchas roxas que apareciam em seu corpo frequentemente. "A criança sempre aparecia com algumas manchas roxas, e a gente perguntava, mas ela [Ana Cristina] sempre alegava que era uma queda, que ela caía e se machucava", menciona a cunhada Franciele.

Assim como seus familiares, Franciele disse nunca imaginar que seu irmão pudesse praticar o crime.

Embora a causa da morte da menina ainda não tenha sido perfeitamente esclarecida pela polícia, a tia da criança disse aos agentes que a menina teria sido morta a pauladas. "Na frente da gente, ele mostrava ter carinho por ela, abraçava. Mas a gente vinha desconfiando. Parece que quando ele bebe, não sei, fica fora de si", comentou Franciele.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

A mãe de Ana Cristina, que esteve na manhã desta quinta-feira (22) no Instituto de Perícia Forense para reconhecer o corpo de Maria Esther, disse que também está inconformada com tudo que ocorreu e mencionou que a filha deve pagar pelo crime que cometeu. "Eu quero que ela pague. Por mim ela vai apodrecer na cadeia e eu não vou nem lá. Vai morrer lá", afirmou a vó da criança Raimunda Farias.

Raimunda ainda comentou que teria começado a suspeitar de Franciel logo após o desaparecimento da criança, mas ela nunca imaginaria que Ana Cristina teria coragem de assassinar a filha.

O pai biológico de Maria Esther não possuía nenhum contato com a criança e não comentou sobre o crime.

O choro da criança foi escutado pelos familiares

A prisão do casal foi realizada após os policiais confrontarem a versão deles na delegacia com os depoimentos prestados pela avó da menina e também pela irmã de Franciel. Em depoimento, Raimunda e Franciele garantiram ouvir o choro da criança na madrugada de terça-feira e também teriam visto o casal saindo de casa com a criança enrolada em um lençol.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo