Cui Tiankai, embaixador da China nos Estados Unidos, deu uma entrevista exclusiva à CNN,na terça-feira (27), onde disse que a operação dos EUA é "uma provocação muito grave, política e militarmente."O Ministério das Relações Exteriores da China afirmouque o navio "está entrando ilegalmente em águas da China". "A ação tomada pelo navio de guerra americano ameaçou os interesses de soberania e a segurança da China, e colocou a segurança do pessoal nos recifes em perigo", disse em comunicado o Ministério.

A operação de colocar o navio dentro de uma área que seria considerada território soberano chinês foi efetuada porque os Estados Unidos não reconheceram as ilhas artificiais como sendo território chinês, disse um altofuncionário de Washington a imprensa americana.Os Estados Unidos não tinham violado o limite de 12 milhas desde que a China iniciou as operações maciças de dragagem para transformar três recifes em ilhas artificiais em 2014, já que a lei marítima não tem costume de conceder águas territoriais de ilhas construídas nos recifes submersos anteriormente .

CHINA – ADVERTÊNCIA

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês advertiu das conseqüências de um país causar problemas ou aumentar as tensões nos territóriosdaChina reivindicados como sua propriedade.

"Se algum país acha que, através de alguns truques, eles serão capazes de interferir ou mesmo impedir a China de se envolver em atividades razoáveis​, legítimas e legais em seus próprios territórios, quero sugerir esse país a desistir de tal fantasia", disse o porta-voz do ministério do exterior Lu Kang."Na verdade, se insistir na criação de tensões na região causando problemas a partir do nada, isso pode forçar a China a concluir que é necessário reforçar e acelerar nossas capacidades relevantes. Eu aconselho os EUA a não criar tal profecia auto-realizável."

REIVINDICAÇÕES RIVAIS

O Mar do Sul da China é objeto de reivindicações territoriais rivais e muitas vezes confusas, com a China, Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã disputando a soberania de cadeias de ilhas e águas próximas.Em pouco mais de 18 meses, a China recuperou mais de 2.000 acres em três locais principais nas Ilhas Spratly, onde está construindo pistas de pouso planejadas para serem capazes de receber aterrissagemdebombardeiros.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros reiterou que a suas atividades no Mar da China do Sul não afetarama liberdade de navegação por mar ou ar, mas disse que realizou "soberania indiscutível sobre as Ihas Spratly e as águas próximas.""A China está resolutamente contra qualquer país que danifique os interesses de soberania e segurança da China em nome da liberdade de navegação e sobrevoo", disse.

EUA

Já as autoridades americanasresponderam,"Nós iremos voar, navegar e operar em qualquer lugar do Mundo noqual a lei internacional permita.A liberdade de operações de navegação dos EUA são de âmbito global e executadas onde haja uma ampla violação dos direitos internacionais marítimos”.

"Nós iremos voar, navegar e operar onde houver licenças de direito internacional e sempre que as necessidades operacionais exijam ", reforçou tambémosecretário de Defesa dos Estados Unidos,Ash Carter.

Siga a página Curiosidades
Seguir
Siga a página Mundo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!