Uma mulher russa, de 33 anos de idade, foi detida na Espanha sob a suspeita de ter forçado a filha de 13 anos de idade a prestar serviços sexuais a um homem de 59 anos de idade, que já tinha antecedentes criminais por abuso de menores, em troca de bebidas, comida, tabaco ou pequenas quantias de dinheiro. Segundo relatou a imprensa internacional, que cita fontes ligadas à operação policial, um denunciante anônimo avisou as autoridades de que havia movimentações suspeitas na casa do homem que abusava da garota.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

A polícia começou a investigar o caso em janeiro deste ano, após receber a denúncia, e montou um esquema para averiguar o que se passava naquele lugar. Depois de alguns dias de metódica investigação, os policiais julgaram estar de posse dos elementos necessários para entrar em ação e deter o suspeito, que foi capturado na companhia da adolescente em questão.

O caso tornou-se público nesta semana.

Segundo a polícia, a mãe da garota responde em liberdade por negligência enquanto o suspeito de ter abusado sexualmente da menina está detido por corrupção de menores e prática de abusos sexuais. A menina, ainda segundo as autoridades policiais, ficou feliz por ser resgatada e não quer ver a mãe, que, aliás, está proibida de vê-la ou ao filho de 9 anos. Os dois irmãos foram recolhidos a um centro de proteção de menores, onde deverão receber os tratamentos necessários para que se recuperem psicológica e fisicamente do sofrimento pelo qual passaram. Nenhum dos dois estava frequentando a escola e ambos passavam os dias perambulando sozinhos pela bela cidade de Almeria, onde se deram os tristes fatos que levaram ao desencadeamento da ação policial.

Os melhores vídeos do dia

Nenhum dos dois estava na escola, e espera-se que eles possam recuperar agora, depois do fim deste pesadelo, o atraso nos estudos causado por sua situação peculiar.

A operação que libertou os dois menores foi levada a cabo pela Brigada de Estrangeiros e Fronteiras do Comissariado Provincial de Almería em conjunto com a Brigada Central de Proteção de Seres Humanos do Comissariado Geral de Estrangeiros e Fronteiras.