O Oriente Médio é conhecido por possuir leis polêmicas, consideradas os valores morais e éticos consagrados pela civilização ocidental do mundo. A possibilidade de um homem poder contrair vários casamentos, por exemplo, é oposta a ideia monogâmica de matrimônio defendida pelas legislações americanas. Mas o fato mais perigoso é outro: a possibilidade, em muitos desses países orientais, de um homem poder se casar com meninas crianças.

Recentemente, um caso chamou a atenção das autoridades internacionais de proteção aos direitos humanos, e à própria mídia: uma criança de apenas oito anos de idade morreu no último sábado (12), no iêmen, depois de passar a lua de mel com seu esposo muçulmano, que já tem 40 anos.

Publicidade
Publicidade

A vida que vale R$ 6 mil

Segundo os médicos que a atenderam, a menina, chamada de Rawan, teve uma hemorragia que foi ocasionada por ferimentos internos no útero, o que acabou desencadeando sua morte. O fato se deu numa área tribal de Hardh, que fica localizada na região da fronteira do Iêmen com a Arábia Saudita. Rawan, segundo os relatos, acabou sendo comercializada como um produto por seu padrasto, que a destinou para um muçulmano saudita, num negócio que custou cerca de R$ 6 mil, segundo informações do jornal “Der Tagesspiegel”, da Alemanha.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Relacionamento

À Reuters, Arwa Othman disse que na noite de núpcias e após a relação sexual do casal, a menina sofreu hemorragia e ruptura uterina, o que acabou causando sua morte. Segundo ela, a menina foi levada para uma clínica, porém os médicos que a atenderam não puderam salvar sua vida.

Depois do noticiamento da morte de Rawan, ativistas de defesa dos direitos humanos começaram a pressionar para que o viúvo da criança e a família que a vendeu sejam considerados os responsáveis jurídicos pela morte dela.

Publicidade

Além disso, eles reivindicam que seja editada uma lei no país para que seja restrito o casamento apenas para indivíduos que possuam 18 anos completos ou mais.

O matrimônio de crianças no Iêmen e no Oriente Médio chamaram a atenção dos organismos internacionais a partir de 2010, depois que uma criança de apenas 13 anos acabou vindo a óbito, também de hemorragia no útero, logo após ter mantido relações sexuais com seu esposo, que à época tinha 26 anos, o dobro de sua idade.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas, atualmente, mais da metade das meninas no Iêmen (cerca de 52%) acabam se casando antes de completarem 18 anos, enquanto que outra parcela, de 14%, contraem matrimônio antes de chegarem aos 15. Ao atingirem a puberdade, elas simplesmente são obrigadas a largarem os estudos para se dedicarem aos seus respectivos maridos, que as tratam como meras empregadas, possuidoras de uma única função: respeitar, acatar e cumprir ordens.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo