Mónica Vega já estava grávida de sete meses quando, fazendo uma consulta de rotina, o obstetra percebeu que havia algo estranho em seu ultrassom. Nas imagens do exame, era possível ver dois cordões umbilicais, porém, ambos sabiam que Mónica não estava grávida de gêmeos.

O que estava acontecendo ali era um fenômeno extremamente raro que só acontece em uma a cada 500 mil gravidezes. Sua bebê, Itzamara estava carregando um feto em sua barriga.

Publicidade
Publicidade

O caso ocorreu na cidade de Barranquilla, localizada na Colômbia.

Segundo o médico cirurgião Miguel Parra, o nome desse evento é "Fetus in Feto" e deve ser identificado o quanto antes para não comprometer a gravidez. O médico explicou que essa situação ocorre quando um irmão gêmeo se desenvolve dentro do outro e costuma acontecer a partir de um único zigoto (união entre óvulo e espermatozóide).

Quando a divisão do zigoto ocorre na primeira semana da gestação, resulta em gêmeos idênticos.

Publicidade

Quando ocorre na segunda semana, resulta em gêmeos siameses - que são irmãos fisicamente conectados. Já na gravidez de Mónica, essa divisão ocorreu após a segunda semana, no décimo sétimo dia de gestação. O feto dentro de Itzamara se mantinha com os nutrientes e o oxigênio da irmã.

Itzamara passa por "cesariana" de emergência

Apesar de possuir todos os membros e o seu próprio cordão umbilical, o feto não possuía coração nem cérebro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Maternidade

Além disso, o irmão de Itzamara estava totalmente envolto em líquido amniótico, porém dependia totalmente da irmã. Na maioria dos casos, essa situação só é descoberta após o nascimento no bebê, o que faz com que o caso de Mónica Vega seja ainda mais raro. Se não houvesse acontecido o diagnóstico, Itzamara poderia crescer com o feto dentro do seu abdômen, o que poderia enfraquecê-la, desnutri-la ou atrapalhar o funcionamento de algum órgão.

Por isso, para o nascimento de Itzamara, foi realizada uma "cesariana" de emergência, antes das quarenta semanas de gravidez pois ela poderia ficar sem nutrientes dentro no útero de sua mãe. A menina passou por uma cirurgia apenas um dia depois do seu nascimento.

O médico removeu o feto de seu abdômen e disse que a operação foi bem sucedida.

Segundo o doutor Parra, agora ela é uma menina que está se desenvolvendo muito bem e se recuperou da cirurgia "ela se recuperou muito bem de sua 'cesariana', que aconteceu vinte e quatro horas após seu nascimento", disse o médico em entrevista concedida à rádio Caracol.

Publicidade

As informações sobre o caso foram divulgadas pela emissora Los Informantes.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo