“Existe tanta informação, que as pessoas não conseguem diferenciar entre verdadeiro e falso”. Claire Wardle, cofundadora e diretora da First Draft –uma organização sem fins lucrativos ativa no combate à desinformação–, afirma ter certeza que o problema da desinformação na internet é maior do que pensamos.

Em uma conversa exclusiva por e-mail com a Blasting News, Wardle explica como distinguir notícias falsas e verdadeiras e como navegar nessa pandemia da Covid-19. Ela também falou sobre as eleições presidenciais deste ano nos Estados Unidos, dizendo que “veremos muita desinformação nos próximos 90 dias”. “As perspectivas serão muito sombrias”, acrescenta ela sobre as eleições presidenciais nos EUA.

Como a First Draft deixa claro em seu site, a Organização Mundial da Saúde está descrevendo a pandemia do coronavírus como uma “infodemia”.

Você pode falar mais sobre o assunto? E quão poderosa é a infodemia em afetar o curso do vírus?

A infodemia é como uma pandemia, existe tanta informação, que as pessoas não conseguem diferenciar entre verdadeiro e falso. Em termos de curso do vírus, é muito sério. A razão pela qual as pessoas estão compartilhando informações incorretas é porque não temos uma noção clara de onde o vírus veio, não temos uma noção clara de um tratamento, não temos uma vacina e não conseguimos nem mesmo concordar se as máscaras funcionam ou não, mesmo sabendo que sim.

Assim, as informações sobre o vírus estão tendo um grande impacto no comportamento das pessoas e, portanto, se o vírus foi ou não contido em diferentes países.

Como as pessoas devem distinguir notícias verdadeiras e falsas? Quais as ferramentas ou táticas, especialmente em nosso mundo acelerado?

Na verdade, é muito, muito complexo.

Existe um número de sites de notícias muito confiáveis e muitos sites de notícias não confiáveis, embora algumas pessoas argumentem que eles são confiáveis. É complicado. A dica para os usuários é verificar se existe uma página Sobre, um endereço. Existe um verbete na Wikipedia para eles? Então você pode ter uma ideia se é apenas um homem em seu quarto ou se é um site de notícias real e confiável.

Você tem que fazer uma distinção sobre se você acha ou não que certos veículos de notícias são confiáveis. Eu posso dizer que não são, você pode dizer que são. Esse é o desafio quando qualquer pessoa pode publicar qualquer coisa. Eu diria que você realmente deseja usar sites que outras pessoas, que você confia de veículos de notícias com história, estão falando. Por exemplo, Axios é um novo site, mas eu diria que é muito confiável. Você não pode simplesmente dizer: “é um site antigo?”. Siga jornalistas em quem você confia e onde eles trabalham.

E como os jornalistas podem enfrentar melhor a infodemia?

Eles podem ser muito melhores para preencher as lacunas de dados. Os jornalistas deveriam olhar para o Google Trends para descobrir o que as pessoas estão confusas e, em seguida, preencher essas lacunas com explicadores e conteúdo perene que ajude as pessoas a encontrar informações de qualidade ao pesquisar no Google.

Eles deveriam fazer isso ao invés de apenas reagir a cada novo ciclo de impressão, a cada novo comunicado de imprensa, a cada nova atualização de um medicamento diferente, isso não é útil no momento. Precisamos de boas explicações sobre todos os aspectos críticos do vírus.

Com relação a isso, como a First Draft atuou nos primeiros meses da pandemia?

Basicamente, começamos a monitorar a desinformação globalmente. Esse é o tipo de trabalho que fazemos o tempo todo. Então, acabamos de configurar um novo número de palavras-chave e começamos o monitoramento em diferentes plataformas e em diferentes países.

Além da infodemia da Covid-19, os Estados Unidos também tiveram que lidar com a desinformação ligada ao movimento Black Lives Matter e à brutalidade policial.

Qual é a sua opinião sobre isso?

Os EUA têm discutido com o Black Lives Matter sobre a brutalidade policial, então é claro que tem havido muita desinformação sobre isso. Muito disso veio de fontes oficiais, políticos e chefes de polícia. O desafio, portanto, é difícil, pois você não pode mais confiar em certas fontes. Agora estamos vendo elites compartilhando informações incorretas da mesma forma que vemos pessoas online sem um perfil ou uma reputação.

Olhando para novembro de 2020, você poderia nos contar mais sobre o novo projeto que você lançou, “Proteção contra o engano”? Você acha que vai ser traduzido para outras línguas também?

Criamos este curso SMS [é um curso de duas semanas, por mensagens de texto, uma por dia, para dar “o conhecimento e a compreensão de que você precisa para proteger a si mesmo e à sua comunidade contra a desinformação on-line”].

Esperamos traduzi-lo para vários idiomas. Estamos apenas fazendo alguns testes agora para ver se o curso faz ou não diferença. Queremos ter certeza de que está tendo um impacto. Recebemos um bom feedback de usuários que parecem ter gostado dele. Esta é a primeira vez que criamos conteúdo para o público em geral. Normalmente criamos materiais de treinamento para jornalistas, então esse é um caminho novo para nós.

Em relação ao impacto das notícias falsas divulgadas principalmente nas redes sociais, quais você acha que são as perspectivas para as eleições de 2020 nos EUA?

Eu acho que são realmente muito desoladoras. Muito pouco mudou desde 2016. Haverá muita confusão por causa da Covid-19, o que significa que haverá voto pelo correio e temores de que os locais de votação sejam perigosos.

Então você tem um golpe duplo de pessoas com medo de votar. Será muito fácil ter uma campanha de desestímulo ao voto. Veremos urnas em lugares que não deveriam, veremos pessoas espalhando boatos de que as pessoas não vão lavar as mãos antes de mexer nas urnas e que isso será perigoso. Há um boato hoje de que você terá que enviar seu voto pelo correio duas semanas antes do prazo, caso contrário, nem vale enviar. Portanto, é um desastre absoluto. Veremos muita desinformação nos próximos 90 dias. Sou muito pessimista com relação a isso.

Não perca a nossa página no Facebook!