De origem iraniana, o lutador Navid Afkari, de 27 anos, foi executado na manhã deste sábado (12). As informações foram divulgadas pela mídia do país árabe. O lutador foi condenado depois de esfaquear e matar um segurança, crime que aconteceu durante os protestos conta o governo que aconteceram em 2018. Segundo a defesa, não se havia provas contra Navid e, de acordo com informações passadas pelo presidente do tribunal da província de Fars, Kazem Mousavi, o lutador foi morto na prisão de Adelab, localizada em Shiraz, ao sul do país.

Campanha diz que lutador foi perseguido

O caso de Afkari chamou a atenção de todo o mundo após o início de uma campanha, que afirmava que o campeão de luta olímpica iraniano e seus irmãos, Habib e Vahid, foram alvos de uma perseguição após terem marcado presença nos protestos contra o governo.

Tais protestos também pediam mais atenção para as questões sociais e econômicas do país.

Lutador foi torturado, diz família

Navid foi acusado de, durante os protestos, ter esfaqueado o funcionário de uma empresa de abastecimento de água localizada em Shiraz, Hassan Turkman. De acordo com informações da família do lutador, Afkari foi torturado até que fizesse uma falsa confissão, divulgada na semana passada. Segundo a Associated Press, a versão dada pela família e também por ativistas é coerente com outras diversas confissões coagidas, que já aconteceram ao longo dos últimos dez anos na república islâmica.

No Twitter, Hasan Yunesi, advogado do lutador, disse que já havia uma reunião com a família do funcionário morto marcada para domingo (13), onde Afkari pediria perdão na intenção de evitar a pena de morte.

Além disso, Hasan ainda afirma em sua publicação que “estavam com tanta pressa” que negaram ao lutador até mesmo o seu direito a uma última visita.

De acordo com relato da mãe de Navid, o filho tentou tirar a própria vida ao menos três vezes durante o tempo em que esteve preso.

Presidente dos EUA publica apelo sobre o caso

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, usou seu perfil no Twitter para fazer um apelo na semana passada. Trump disse na publicação que “apreciaria muito” se os líderes do Irã poupassem a vida de Navid Afkari. “Obrigado!”, finalizou o presidente, que recebeu a resposta do país através de uma reportagem divulgada pela TV estatal.

Na reportagem de 11 minutos, a emissora entrevistava o pai e a mãe do funcionário morto. Além disso, eles também divulgaram um vídeo que mostra o lutador na garupa de uma moto, afirmando que o mesmo esfaqueou Hassam pelas costas. E mais, a reportagem também afirma que o celular de Navid foi encontrado no local do crime. Mesmo assim a reportagem não revela qual seria o motivo do lutador cometer o crime.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!