O presidente Jair Bolsonaro (PSL) soltou uma frase polêmica nesta segunda-feira (29) ao se referir ao presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e a forma como a entidade tem se comportado perante as investigações sobre o ataque a faca cometido por Adélio Bispo ainda durante a corrida presidencial.

Em tom ríspido, Bolsonaro disparou contra o pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, Fernando Augusto Santa Cruz de Oliveira, desaparecido em fevereiro de 1974, durante o período da ditadura militar (1964-1985). Fernando foi preso no Rio de Janeiro junto de um amigo, Eduardo Collier, por agentes do DOI-Codi.

'Eu conto', diz Bolsonaro sobre desaparecimento

Durante sua fala à imprensa, Bolsonaro teceu críticas à OAB, mas o principal alvo foi o presidente Felipe Santa Cruz, mais especificamente seu pai. Bolsonaro disse que, caso o presidente da OAB desejasse saber como se deu o desaparecimento da morte do pai, ele contaria, complementando que Felipe não gostaria nada de ouvir o que ele classificou como verdade.

Jair Bolsonaro, no entanto, fez ressalva e disse que não é uma versão dele, mas sim a vivência que ele teve e o levou a chegar nas conclusões às quais chegou. De acordo com Bolsonaro, Fernando seria integrante da Ação Popular, grupo que o presidente classificou como "mais sanguinário e violento da guerrilha" em Pernambuco.

Fernando era estudante de direito e trabalhava no Departamento de Águas e Energia Elétrica em São Paulo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Além disso, integrava a Ação Popular Marxista-Leninista e já era pai, embora Felipe tivesse apenas dois anos de idade quando o pai foi dado como desaparecido.

Não integrava a luta armada

Segundo relatório da Comissão da Verdade, que tinha como responsabilidade averiguar e investigar os casos de morte política durante a Ditadura Militar, não há qualquer registro formal de que Fernando tenha participado de lutas armadas durante o regime.

De acordo com o próprio documento, Fernando possuía endereço e emprego fixo, portanto, não estava sequer clandestino no país ou ainda foragido dos órgãos de segurança da época.

Doria repudia fala de Bolsonaro

João Doria, governador de São Paulo, repudiou a fala de Jair Bolsonaro. O tucano disse ser inaceitável a declaração do presidente e que não ficaria calado, uma vez que teve um pai cassado pela ditadura e viveu anos no exílio.

Em seu pronunciamento, Doria ainda chamou a declaração de "infeliz"

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo