Em uma entrevista cedida ao "SP1", da TV Globo, Rosevânia Caparelli Rodrigues, mãe da menina Raíssa Eloá Caparelli Dadona, de 9 anos, encontrada morta no último domingo (9), dentro do Parque Anhanguera, zona norte de São Paulo, disse que o garoto de 12 anos suspeito de ter cometido o assassinato seria alguém de muita confiança de sua filha e tinha um bom convívio com ela, sendo sempre muito dócil.

A mãe se emocionou ao falar da filha e relatou todo o drama familiar vivido deste então.

A mãe da criança mencionou que teria ido a uma festa infantil com a menina e também com o filho mais novo no CEU (Centro Educacional Unificado) Anhanguera. O local é bem próximo da residência da família.

Já no local, Raíssa estava na fila para brincar em um pula-pula e sua mãe pediu para que ela não saísse de lá, que ela iria a outro lugar para apanhar pipocas para o filho caçula. "Não sai de perto da mamãe que a mamãe não gosta", disse ela à filha.

Rosevânia sabia que se Raíssa saísse do local, ela se perderia e não conseguiria mais voltar.

Ainda conforme a mãe, no momento em que Raíssa concordou em ficar no local, o menino suspeito de ter cometido o crime também estava com ela no pula-pula.

Assim que voltou ao local para vigiar a menina, a mãe percebeu que ela já não estava mais lugar. "Comecei a procurar pelo parque inteiro, olhei os brinquedos e chamei todas as meninas que estavam lá no momento, mas não a encontrei.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Depois disso, avisei os policiais do CEU que ela teria desaparecido", conta Rosevânia.

Duas horas depois de seu sumiço, o corpo da criança foi localizado amarrado a uma árvore no Parque Anhanguera. O próprio menino de 12 anos teria avisado a Guarda Municipal do parque que o corpo de Raíssa estava no local. Ao comentar sobre o fato aos administradores do parque, o jovem teria dito que ao cortar caminho para atravessar o local através de uma rota restrita a funcionários teria se deparado com o corpo da menina pendurado na árvore.

Segundo Rosevânia, no fim da tarde de domingo a própria mãe do menino teria dito a ela que tinham achado um corpo de uma criança no parque. As duas famílias são moradoras da mesma rua. "A mãe dele chegou com muita tranquilidade e falou que tinham achado o corpo de uma menina no interior do parque pendurado em uma árvore. Daí eu já havia deduzido que seria a minha filha, por que ela estava usando um macacãozinho rosa", conta a mãe, emocionada, lembrando do que ocorreu.

O garoto e suas duas irmãs estavam sempre juntos brincando com Raíssa. A mãe menciona que o jovem nunca teria apresentado nenhum tipo de comportamento agressivo com a filha. "Ele só falava que lia a bíblia e falava muito sobre Deus", relata ela, lembrando que chegou a levar ele uma vez à igreja. "Uma vez eu levei meu sobrinho na igreja e aproveitei a ocasião e levei ele também. Ele falou que gostou, mas nunca mais voltou lá", revela.

Conforme a mãe da vítima, o jovem sabia que Raíssa tinha autismo e sempre comentava com todos o fato. "Por isso que eu ficava bem tranquila, porque era uma amizade que ela tinha. Minha filha era muito rígida e não ia com ninguém, somente com pessoas que ela confiasse e tivesse uma espécie de vínculo", diz.

Em relação ao vídeo que mostra Raíssa de andando de mãos dadas em direção ao parque a mãe comentou o fato. "Ela parecia estar bem tranquila, pois, afinal, confiava nele", encerra. Mais tarde, o mesmo vídeo teria sido utilizado nas investigações da Polícia para tentar identificar o assassino.

A polícia ainda não sabe o que motivou o crime

A motivação do crime ainda não é sabida pela polícia. Raíssa foi encontrada com o rosto ensanguentado o com lesões nos ombros e pernas.

Em depoimento na delegacia, segundo a polícia, o jovem teria dito que utilizou um galho de árvore encontrado no caminho para agredir a menina até a morte. O caso continua a ser investigado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo