A noite de sexta-feira (13) marcou um dos maiores atentados terroristas já vistos e o grupo jihadista Estado Islâmico assumiu a autoria dos atentados. O mundo está chocado. Mas não desde a última sexta-feira. O mundo está chocado há muito tempo, desde que o grupo terrorista começou mostrar a que veio - e mostrar da forma mais terrível que pode ter escolhido: por meio de crimes bárbaros contra a humanidade.

O Estado Islâmico é um exército de terroristas que tem controle sobre uma grande faixa de território no oriente Médio e que tem uma marca registrada: a brutalidade. E são considerados inimigos todos aqueles que não pensam como eles.

O Estado Islâmico era pouco conhecido até 2014, quando ocupou Mosul, que é a segunda maior cidade do Iraque - a partir de então, o mundo começou a conhecê-lo. Os seus atos vêm de uma interpretação bem particular da religião: um islamismo bem distorcido, que quer impor o seu modo de pensar a todo o mundo.

O grupo tem um diferencial, que o torna, de certa forma, mais poderoso: eles utilizam como nenhum outro grupo as redes sociais. E são bem estruturados, se comunicam em inglês e em outras línguas estrangeiras, para conseguir chegar até seus alvos: pessoas que estejam dispostas a abraças a causa - essa é uma forma deles fazerem a sua propaganda e convocar militantes.

Foramse tornando mais conhecidos mais conhecidos à medida que seus crimes bárbaros iam sendo "exibidos" e conhecidos pelo mundo todo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Curiosidades

Eles queimaram vivos prisioneiros, decapitaram jornalistas, decapitaram reféns estrangeiros e funcionários de agências humanitárias, mataram crianças, estupraram mulheres, destruíram patrimônios históricos e cometeram atentados.

O exército terrorista é bem equipado, bem armado. Eles dizem que são mais de 200 mil militantes, mas serviços de inteligência americanos dizem como estimativa que eles são um grupo entre 20 e 32 mil militantes.

Difícil de ser combatido, o Estado Islâmico tem treinamento de combate, aparentemente conhecem bastante sobre técnicas de guerrilha, sabem como ocupar lugares e como se defender da Polícia. Mas talvez a sua maior arma seja, na verdade, o fato de estarem dispostos a morrer por uma causa. Infelizmente, a causa errada.

Na França, de acordo com o grupo, foi só começo:"Esse ataque é só o começo da tempestade e um alerta para aqueles que quiserem meditar e tirar lições.”, teria dito o grupo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo