O longa 50 tons de Liberdade pode deixar a desejar quanto ao conteúdo, mas é belíssimo quanto ao tema proposto. O mais interessante é o casamento logo nas primeiras cenas e, após finalmente serem marido e mulher, já ocorre o primeiro ato dos dois nesta saga.

A mudança de vida de Anastasia é tão grande que não esperava ter pessoas especializadas para determinado tipo de serviço. Entretanto, aceitou sem pestanejar, já que estava acostumada a fazer de tudo um pouco, diferentemente da vida imposta pelo marido.

Os primeiros momentos de casório foram realmente lindos, com muita relação sexual presente, como ocorreu nos dois primeiros filmes. Porém, de forma equilibrada, não exagera como ocorreu na primeira vez quando Christian encontrou com Anastasia no antigo trabalho.

A insegurança de Christian Grey com a esposa se torna ainda mais presentes neste filme. Por isso, essa falta de liberdade e essa obsessão por sua mulher se torna ainda mais desgastante.

O medo de perdê-la é tão grande que, mesmo saindo com a principal amiga, não deixa de ficar em seu pé, ligando a todo momento como se fosse sua propriedade.

A liberdade é vital para Anastasia, mas, para Christian, é como comprar uma roupa que não serviu ou que não combinou esteticamente. Por isso, essa questão se torna complicada ao longo deste terceiro filme.

O bebê de Christian Grey e Anastasia Steele

Anastasia se mostra incomodada com a atitude do marido, pois não se mostra preparada suficiente para cuidar de um filho ou por ter que abandonar sua diversão amorosa e ter mais responsabilidades, além das que já tem ao longo de toda saga.

Essa parte reflete a ideia de muitos homens não estarem também preparados para serem pais.

Neste quesito, o terceiro filme acertou em cheio, principalmente ao abordar a característica da maioria dos homens quando ficam sabendo que serão pais futuramente. A relação de insegurança dos dois se vê presente em vários momentos, e neste filme da saga retrata em um tempo maior em relação aos dois, já que os outros mencionados eram mais cenas de amor, prazer, posse e as diferentes formas de fazer o ato sexual por simples prazer de Christian Grey.

Muitas cenas podem ser interpretadas de diferentes formas. Entretanto, Christian, às vezes, ultrapassa seus limites em certas cenas. Esse desejo de posse quase leva a sua morte, por seu antigo patrão acreditar que o Sr. Grey foi responsável pela sua derrocada no trabalho, além do próprio desejo de ficar com a personagem principal da saga.

O filme pode não ser brilhante em conteúdo como foi 50 Tons Mais Escuros, mas vale a pena por questões que a sociedade ou que os pais ainda possuem tabu com certos assuntos considerados delicados para lidar com seus filhos, principalmente as formas de desejo que o casal apresenta.

Por isso, 50 Tons de Liberdade agrada gregos e desagrada troianos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo