O velho dogma de que “política, futebol e religião não se discutem” é utilizado como um ultimato para que nada mais seja dito quando os argumentos em si se extinguem em uma discussão, porém, dos dois primeiros temas nada se pode afirmar, mas a política, definitivamente, tem como base o diálogo.

O Brasil é um país em que a democracia vigora, prevendo assim que os desejos e as necessidades da população sejam atendidos.

Entretanto, com tantas notícias ruins relacionadas à política, não parece ser o que acontece. Em qualquer roda de conversa ouvimos reclamações sobre a saúde e a educação do país, mas deve-se questionar como de fato pode-se resolver tudo isso. A democracia permite que possamos escolher os nossos representantes, mas, se não houver a fiscalização das pessoas, como poderão ser cobrados os direitos? Para isso, é preciso entender sobre o assunto e justamente por isso, existe a educação política.

Conviver com o outro é natural, porém, exige esforço. Esforço este que foi colocado à prova nestas últimas eleições. Definitivamente 2018 ficará marcado como o ano do interesse por política. Manifestações estrondosas de ambos os lados, com famílias inteiras, sobrando espaço até para os cachorros e as crianças. Em qualquer conversa de bar se via que o engajamento por este tema de fato aumentou. Não só nas redes sociais, mas em qualquer posto de saúde, lanchonete ou até mesmo no trem era possível ver alguém citando o nome de Haddad ou Bolsonaro. A política nunca esteve tão próxima e ao mesmo tempo tão longe da população.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Corrupção Opinião

Afinal, estamos mais politizados?

Uma pesquisa de agosto deste ano revelou a herança que restou ao país após os desdobramentos da Lava-Jato e da crise que se alastrou por todo o Brasil: o desinteresse do eleitor jovem. As informações foram emitidas pelo próprio TSE através dos dados do Cadastro Eleitoral, e demonstram que houve uma redução da população de 16 e 17 anos apta a votar --de 1,6 milhão em 2014, para 1,4 milhão nesse ano.

Além disso, desde as manifestações de 2016 se via uma insatisfação e uma descrença cada vez maior pela política, tanto que inúmeros levantamentos do Ibope apontavam os eleitores pessimistas com estas eleições. Entretanto, a sensação do país contraria estas pesquisas.

Após a impugnação de Lula, e de um embate previsível entre Haddad e Bolsonaro, as campanhas nas redes sociais foram para as ruas, e inclusive o movimento ‘Vira voto’, que tinha como foco convencer os indecisos a votarem no candidato petista e reverter votos destinados ao candidato do PSL, mostrou um engajamento notório do brasileiro.

Embora o interesse tenha crescido, não existe um aprofundamento, e nem mesmo um conhecimento básico de causa. A verdade é que o brasileiro está, a passos de tartaruga, começando a se enxergar na política.

Nesse sentido, o brasileiro está se aproximando da política, mas ainda muito distante do propósito pela qual ela foi idealizada. Inclusive, por isso, a sensação de que a política está ‘na boca’ de todos os brasileiros, enquanto as pesquisas mostram o contrário.

Como viver a política?

Política no dicionário significa: “a arte ou ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados”. A relação pode não parecer clara à primeira vista, mas política e sociedade são interdependentes e para a construção de uma sociedade estruturada, uma precisa da outra. Como o próprio Aristóteles diria, é um interesse natural. Todos os nossos atos têm algum fundo político, a questão é ‘profissionalizar’ esse interesse.

Com a crescente de organizações como o "Politize!" ou a "Escola do Parlamento", Maquiavel, mesmo que nascido em 1469, está cada vez mais próximo — em conteúdo e em facilidade de acesso — de todos nós. Essa é a verdadeira política. Os 79% de brasileiros que não se sentiam representados por partidos políticos em 2016, de acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos, são parte do fenômeno batizado de apolitismo, que é a recusa por política, e consequentemente, por tudo o que é público. Quem não deseja participar do público, será governado por quem se interessa e assim, contribui com o monopólio de partidos. Resta saber se o brasileiro deseja ser governado por políticos que ignoram a importância da educação política e tem horror à denominação de "político", mas, claro, mexem com o seu dinheiro e com a sua vida.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo