Se você for um bom observador perceberá mudanças na organização contemporânea. Até pouco tempo, a formação profissional no interior das organizações era tida como treinamento. Instrutores profissionais sequer cogitavam discutir a aprendizagem.

Eram termos considerados como tendo o mesmo significado. Há, porém, mudanças no mercado de #Trabalho. A organização depende mais de profissionais conscientes. A época de valorização de colaboradores alienados parece finda.

Sinta que, aos poucos, parte da cultura acadêmica é trazida para o interior das organizações. As universidades corporativas ou academia de negócios ou seja lá qual nome lhe seja dado, substituem os departamentos de T&D (treinamento e desenvolvimento).

As coisas começam a mudar nos departamentos de gestão de pessoas.

Qual a diferença?

Observe que a mudança paulatina das práticas de formação de competências e habilidades nos colaboradores da organização enxerga, agora, duas vertentes. Ambas têm as suas características e elas são diferentes entre si.

Se você irá ser orientado para desenvolver atividades pontuais, que têm como foco orientar a utilização de ferramental mecânico, eletrônico ou tecnológico, sua formação ainda continua a ser tratada como treinamento. A principal característica é a utilização imediata do conhecimento relacionado com algum problema operacional.

Observe que existe, porém, outra área de formação profissional. É uma área onde os profissionais trabalham em outra perspectiva. Eles enfrentam problemas nebulosos de solução desconhecida.

Os melhores vídeos do dia

São as inovações que representam um desafio diário para as organizações. O processo de formação é considerado como uma estratégia de competitividade. Ele é posto como um meio para que a organização desenvolva competências e habilidades que permite aos colaboradores como você, obter condições de trabalhar com estas condições de enfrentamento ao desconhecido. Nestas atividades o erro tem uma perspectiva diferenciada. Considera-se que através dele é possível que você chegue a novos conhecimentos. Nesta área os programas de formação não são mais tratados como treinamento, mas sim como aprendizagem.

Os temas são excludentes?

Você pode responder de forma imediata: não. Existem atividades operacionais que não exigem mais do que seguir uma série de orientações. Estímulo e resposta imediatos são a origem e o resultado do treinamento. A capacidade de investigação, estudo, análise compõe outra área que representa uma mudança de cultura da organização. Estas propostas podem conviver de forma harmoniosa no interior da organização.

Você é o gestor: como isto pode ser efetuado?

Proponha uma linha de comportamento que sugere convênios com instituições de ensino superior. Elas podem trazer para o interior da organização diferentes formas de ensinar, pautadas em princípios didáticos e pedagógicos diferentes do que aqueles relacionados apenas com atividades de treinamento.

As universidades corporativas parecem estar cumprindo a contento esta proposta de mudança. Os instrutores profissionais, mudam aos poucos. O aumento da convivência com a academia, lhes dá um polimento na forma de orientar os treinamentos. Assim eles aproximam o treinamento de uma atividade de aprendizagem. Afetividade e preocupação com o colaborador, com valorização do capital intelectual da organização, passam a contar pontos. Assim, parece que não há razão para que você faça escolha, mas utilize ambas as metodologias de forma harmoniosa e correta. #Educação