A população mundial está enfrentando uma pandemia que obriga os governos dos países a estabelecerem medidas políticas mais rigorosas e mudanças sanitárias ultrarradicais. Uma delas é controlar os movimentos migratórios feitos pelas fronteiras internacionais.

Hoje os passageiros ainda utilizam passaportes e outros documentos impressos e fotográficos para viajar pelo Brasil.

Para embarcar em um avião é necessário que os passageiros enfrentem duas etapas de segurança. A primeira etapa é se direcionar ao local determinado para validar o cartão de embarque e passar a bagagem por máquinas de raio – X, verificando se existe alguma irregularidade.

Se a bagagem estiver em ordem, pode-se caminhar para segunda etapa.

Em seguida, no embarque, um dos atendentes verifica se o passaporte e o bilhete respeitam as regras de transporte aéreo. Se esses documentos forem aprovados, a Viagem será realizada com tranquilidade.

Mas um projeto nacional que estava arquivado há anos pode ser efetivado e mudar radicalmente o futuro dos embarques em aeroportos espalhados pelos estados brasileiros.

Fiscalizar quem trafega pelos pontos de embarque

A Inteligência artificial tornará possível a realização desse projeto, pois será utilizada para fiscalizar quem trafega pelos estabelecimentos e pontos de embarque e desembarque nos aeroportos, com base no reconhecimento facial.

Participam do projeto o Ministério da Infraestrutura, por meio da Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC), e o Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados). Ronei Glanzmann, secretário nacional de Aviação Civil, afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo que o objetivo do projeto é embarcar se identificando somente com o reconhecimento facial, evitando assim o uso de documentos impressos.

Primeiro em Florianópolis

O Ministério de Infraestrutura escolheu testar os equipamentos tecnológicos primeiro em Florianópolis, capital de Santa Catarina.

O Serpro, empresa federal contratada por R$ 2 milhões, será responsável pela coleta e processamento de dados. A novidade será testada no aeroporto a partir de setembro.

Passaportes e bilhetes cederão espaço para as 'selfies'

Caso os resultados no aeroporto de Florianópolis sejam satisfatórios, o projeto será ampliado futuramente para os demais estados da federação até o início do ano de 2022.

Negociações estão ocorrendo também com os aeroportos do Galeão, de Brasília e Salvador, indicando que talvez os próximos estados a receber a tecnologia serão Rio de Janeiro, Distrito Federal e Bahia.

Portanto, os passaportes e os bilhetes provavelmente cederão espaço para as “selfies” dos equipamentos de reconhecimento facial. Uma ficção que passa a se tornar realidade no Brasil.

Siga a página Viagem
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!