Silvio Santos, dono do SBT, e o apresentador Gugu Liberato tiveram uma parceria de longa data. Contratado pela emissora desde os anos 80, Gugu ficou à frente do "Domingo Legal" até o início da última década, quando se transferiu para a Record TV. Isso, no entanto, não abalou a amizade entre os comunicadores, que seguiram parceiros e, um dia, pensavam em voltar a trabalhar juntos.

Isso, porém, não aconteceu. No fim do ano passado, aos 60 anos de idade, Gugu faleceu ao cair em sua casa, em Orlando, nos Estados Unidos. Desde então, o seu nome vem sendo cercado de polêmicas, principalmente em relação a sua herança e boatos sobre a sua sexualidade.

Após a morte do apresentador, também surgiram boatos sobre um possível retorno dele ao SBT, emissora que o projetou. De acordo com as especulações, as negociações tiveram início no ano passado, e uma reunião havia sido marcada para março, onde as partes falariam sobre as possibilidades de Gugu ter um programa no canal.

Silvio ordena que SBT preserve imagem de Gugu

Pela boa relação entre os dois apresentadores, o SBT evita falar sobre a polêmica envolvendo a herança de Gugu na sua programação. De acordo com o colunista Fefito, do portal UOL, a ordem dada por Silvio Santos é de preservar a imagem do apresentador e de sua família, sem dedicar o espaço a temas polêmicos. Tratando-se da emissora que o projetou para o cenário nacional, o dono do SBT não quer que escândalos sobre ele tenham espaços na programação.

Nesta semana, porém, o programa "Fofocalizando", que é exibido nas tardes da emissora, falou sobre Gugu e o assunto envolvendo sua herança. Isso, no entanto, teve que receber uma autorização direta do mandatário para que pudesse ser exibido. Qualquer outra menção ao caso não foi feita em outro momento, nem mesmo no próprio programa das tardes do canal.

Outras emissoras fazem o contrário do SBT

Enquanto o SBT adotou uma política de não citar o caso envolvendo a herança de Gugu, as outras emissoras tem usado seu espaço para falar sobre o assunto. Na Globo, por exemplo, o "Fantástico" dedicou reportagens longas sobre a situação, ouvindo as partes da família do apresentador, além de repetir durante algumas semanas.

Outra que também adotou o mesmo tipo de comportamento foi a última emissora que Gugu trabalhou, a Record TV. O caso foi comentado em algumas atrações do canal, além do seu equivalente ao show da vida, o "Domingo Espetacular", que fez reportagens sobre a polêmica envolvendo a herança do comunicador.

Também houveram pautas sobre o assunto no "Melhor da Tarde", da Band, nos programas da TV Gazeta ""Mulheres" e "Revista da Cidade", além dos programas da RedeTV! Diferentemente do SBT, que adota o silêncio quando o assunto é a polêmica envolvendo Gugu e sua família.

Entenda o caso que o SBT evita falar

Após a morte do apresentador Gugu Liberato, sua família entrou em pé de guerra com Rose Miriam, ex-companheira do apresentador.

Isso tudo porque o testamento deixado por ele, que faleceu no dia 22 de novembro, não possuía o nome da mãe dos seus três filhos. Com isso, a viúva não teria direito a parte do patrimônio deixado pelo comunicador.

Dessa forma, Rose Miriam entrou na Justiça, pedindo reconhecimento da união estável com o apresentador, de quem ela seria companheira há 19 anos. Caso o caso fosse vencido na justiça, a ex-mulher de Gugu teria direito a 50% de todos os seus bens.

Os bens estavam divididos entre os três filhos do apresentador (João Augusto, 18 anos, e as gêmeas Sofia e Marina, de 16), que receberam 75%, além de outros cinco sobrinhos, que ficariam com os 25% restantes. A mãe de Gugu, Maria do Céu, receberia uma espécie de pensão vitalícia, no valor de R$ 163 mil.

Além disso, Gugu colocou Aparecida Liberato, sua irmã, como a responsável pelo espólio e curadora dos seus filhos menores de idade. Dessa forma, Rose Miriam não teria nem ao menos o direito de cuidar das suas próprias filhas, Sofia e Marina.

Siga a página Famosos
Seguir
Siga a página Fofocas
Seguir
Siga a página Televisão
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!