Um homem foi preso pela polícia, acusado de ter violentado sexualmente uma galinha, na sexta-feira (24), na cidade de Bungoma, no Quênia. O suspeito de ter cometido o #Crime foi identificado, pelas autoridades locais, como Kevin Simiyi, de 18 anos. Para a polícia, ele é o principal suspeito de ter abusado da ave que acabou morrendo, horas após do ocorrido. De acordo com a polícia, a proprietária da fazenda, identificada como Judith Nasimiyu, teria flagrado o jovem violentando a galinha. Essa semana, o rapaz foi condenado a 15 meses de cadeia.

Segundo informações da dona da galinha, ela estava fazendo uma averiguação de rotina em sua propriedade, quando avistou o suspeito cometendo o ato ilícito.

Publicidade
Publicidade

De imediato, ela acionou a polícia local, relatando que um homem estava abusando de uma ave em sua propriedade. Diante da situação, a polícia se deslocou até o local informado. O jovem foi preso e encaminhado para uma delegacia da cidade, para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido.

De acordo com informações do portal de notícias “The Sun”, o acusado disse que tinha violentado sexualmente a galinha, pelo fato de ele não ter conseguido uma namorada. Ainda, de acordo com o portal, o jovem disse para o tribunal que ele tinha muito medo de conversar com mulheres e que elas não gostavam dele pelo fato dele ser muito pobre. Quando os promotores perguntaram se o jovem era culpado das acusações, ele disse que sim.

“Fui apanhado violentando sexualmente a galinha. Tenho medo de me aproximar das mulheres por causa do meu alto nível de pobreza e acho que as mulheres são muito caras", disse Kevin Simiyi.

Publicidade

Segundo informações da proprietária da galinha, ela relatou que a ave ainda foi socorrida e levada a um veterinário, mas acabou morrendo de exaustão na última sexta-feira. Segundo ela, os veterinários relataram que a ave foi vítima de abuso sexual. Diante das acusações contra o jovem, o magistrado Stephen Mogute o declarou culpado de bestialidade e o condenou a 15 meses na prisão em Bungoma. #Estupro #Casos de polícia