No dia oito de março celebramos o Dia internacional da Mulher em todos os países e no Brasil não foi diferente. Diversas cidades, inclusive pequenos municípios, organizaram passeatas pelas avenidas principais e movimentadas destes centros urbanos. Cada grupo organizou-se da forma que podia e na Argentina, uma manifestação aconteceu e acabou viralizando por seu teor extremista.

Um grupo de mulheres participaram de uma performance artística que gerou bastante polêmica na cidade de Tucumán, gerando revolta em milhares de pessoas em todo o mundo. Quando o assunto é religião, todo cuidado é pouco e o conservadorismo da igreja católica fala mais alto sempre por ser uma instituição milenar e já ter dominado o mundo.

Publicidade
Publicidade

Como muitos sabem o #aborto ainda é considerado um tabu na sociedade e as meninas resolveram ilustrar isso, só que a personagem central que cometia o aborto era Maria, considerada Santa pela igreja católica. Claro que a cena não caiu bem e elas receberam uma enxurrada de xingamentos. Na performance, as artistas e feministas utilizaram fitas e muita tinta vermelha em um gesto que reproduzia um bebê sendo abortado, o que corroborou ainda mais para o pavor das pessoas.

Outro fato chamou bastante atenção, as mulheres faziam isso enquanto sorriam e brincavam entre si. Se a ideia da performance era conscientizar as pessoas, talvez o sorriso no rosto não deve estar ali naquele momento, pois nenhuma mulher deve ter abortado algum filha na vida sorrindo.

Diante destes fatos polêmicos as mulheres já estão com sérios problemas na Argentina.

Publicidade

O arcebispo da cidade, Alfredo Zecca, já comentou sobre a cena e desaprovou o grupo totalmente. E não foram só líderes religiosos que ficaram descontentes com a performance artística das mulheres em Tucumán.

A população do país está irada com o grupo de mulheres e até fizeram um abaixo-assinado pedindo punições judiciais para as garotas que encenaram o aborto de #jesus Cristo na Argentina.

Até no Brasil o caso chegou a incomodar políticos e pessoas famosas. O senador Magno Malta disse que o caso é considerado ‘repugnante’. A performance em forma de protesto acabou viralizando em todo o mundo e até agora, as autoridades argentinas não comentaram sobre o assunto.