Uma das revistas mais lidas do país (#Veja) fez uma matéria sobre o deputado federal #Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que também é pré-candidato à presidência da República para as #Eleições que ocorrerão no Brasil, em 2018. O deputado, que quase nunca tem espaço na grande mídia brasileira, teve essa oportunidade dada pela revista Veja, devido ao seu crescimento nas pesquisas eleitorais que já o coloca como segundo na preferência dos brasileiros. No site da revista foi exposto um vídeo de alguns minutos onde o deputado, tira dúvidas sobre os temas que mais causaram polêmicas sobre suas atitudes. A revista será lançada nas bancas nessa segunda-feira, porém, nas redes sociais, os seus eleitores já começam a alarmar a notícia, que, para eles, soa como uma vitória, já que a grande mídia brasileira, até então, nunca tinha dado espaço para o deputado.

Publicidade
Publicidade

Jair Bolsonaro apareceu a meses atrás nas pesquisas do DATAFOLHA, obtendo 9% das intenções de voto e, na última pesquisa feita pela CNT/MDA, ele aparece empatado tecnicamente com Marina Silva, no segundo lugar nas intenções de voto para presidência da República de 2018. O efeito Bolsonaro se fortaleceu com a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos, que, parecido com ele, também não teve o apoio da grande mídia americana, porém, Trump, com seu discurso conservador, ganhou as eleições. Jair Bolsonaro também possui um discurso conservador e, por ser um ex-militar do exército brasileiro, tem uma postura mais radical.

Sua pagina no Facebook já possui quase quatro milhões de seguidores, passando à frende das paginas do ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff.

Publicidade

Sua popularidade nas redes sociais vem aumentando a cada dia. Jair Bolsonaro tem feito uma campanha viajando pelo Brasil, onde é recebido por milhares de eleitores nos aeroportos com aplausos e gritos como de, “MITO, MITO, MITO” acompanhado de “presidente do Brasil”. Jair Bolsonaro, que era do Partido Progressista (PP), saiu do mesmo, logo após os casos de corrupção denunciados pela Lava Jato, em que praticamente só ele em seu partido não tinha o nome envolvido na corrupção. Após sair desse partido ele se afiliou ao Partido Cristão (PSC-RJ), porém, já vem mostrando sua insatisfação por conta de algumas coligações que o mesmo fez como, por exemplo, com o PCdoB.