Tive o prazer de ler uma matéria que fez-me refletir e querer contribuir com meus devaneios a quem tiver o interesse no assunto “respeito”. Apesar de ser uma matéria da área médica, envolvendo situações entre medicina e pacientes a compreendi como uma grande lição de respeito à vida e às pessoas. Trata-se do respeito à decisão de viver pouco tempo e com qualidade de vida, esperando o curso natural das coisas, mesmo estando ciente de uma doença ou prolongar a vida com tratamentos e intervenções médicas que mantém o paciente vivo, porém não vivendo bem por conta dos sintomas. Trata-se também da forma com que os pacientes estão sendo tratados levando-se em conta os sintomas da média da população, porém como em qualquer área, seja medicina, engenharia, entre outras, o sintoma dever ser tratado como único e uma frase que foi dita pelo pai do entrevistado fez toda a diferença “Meu pai dizia que o homem de cultura é aquele que valoriza a dúvida”.

Publicidade
Publicidade

Todos nós queremos a receita de tudo, seja na vida pessoal e profissional, filhos, parentes, casamento que deveria ser perfeito, porém não é assim que percebemos que as coisas funcionam e nos resta a pergunta: Não funcionam por quê? Falemos do ÓBVIO!

Será que falta respeito? Ao paciente que está cansado da vida e quer decidir sua hora de ir ? Ao filho que quer usar um tênis furado em vez daquele de marca que o pai comprou? Ao filho que não quer cursar a faculdade dos sonhos “dos pais”? Ao marido ou esposa que chega esgotado do trabalho e ainda tem que encarar uma festa, seja familiar ou outra ? Respeito ao sucesso do outro ? Aos pais, compreendendo que eles também são seres humanos e precisam de um tempo para relaxarem e viverem com tranquilidade ? Aos professores e pais, que nem sempre têm respostas para tudo ? Às preferencias ou afinidades de amigos, que muitas vezes não o convidam seja para o que for desde festa a velórios? Respeito às preferências espirituais, sexuais e partidárias dos outros? Pensando em tudo isso, será que quando não respeitamos as opções dos outros, estamos na realidade sendo egoístas ? Será que esse dito “falta de respeito” nada mais é que nosso egoísmo querendo impor ao outro o que nos faz feliz , sem pensar “no que faz o outro feliz “? Novamente e avaliando os questionamentos reflito que talvez sim, será que ao não respeitarmos o próximo em suas decisões, estamos pensando nele ou na gente? Voltando ao óbvio, estamos com comportamentos mecânicos a tal ponto de não percebermos o óbvio ?

Simplesmente a necessidade básica e preferencial do ser humano “é ser feliz” além de outras coisas e, quando faltamos com respeito ao outro vamos criando amarrações que são as dores do outro e essa energia vai se acumulando de acordo com a quantidade de ocorrências e isso causa infelicidade dupla, tripla ou em grupo, sendo primordial nos questionarmos sobre nossas escolhas para buscarmos qual delas nos traz o equilíbrio e felicidade e com uma frase magnifica finalizo:

“Não faças da tua vida um rascunho. Poderás não ter tempo de passá- la a limpo” Mário Quintana. #Família