O fenômeno geológico sinkhole (vazio subterrâneo) ocorreu em maio de 2018 no município Vera Cruz localizado na ilha de Itaparica, na Bahia, mas foi divulgado em julho de 2018.

A erosão foi descoberta no centro da mata nativa, localizada na propriedade da empresa Dow Química, durante trabalho de rotina a 1 quilometro da vila de Matarandiba, onde existem moradores assustados com a reação do solo que é explorado na extração da salmoura.

As medições foram feitas pela multinacional que atua na área desde a década de 70.

Publicidade

Em nota divulgada em 2018, a Dow Química afirmou que a cratera possui 86 metros de comprimento e 36 de largura, mas que as providências para detectar o motivo da erosão já estão sendo tomada.

Recentemente, os novos dados apontam que houve aumento do comprimento e da largura em mais 4 metros o que causou a diminuição da profundidade (devido o acúmulo de detritos no fundo da cratera) passando de 40 metros para 36,4 metros.

A consultoria alemã Institute for Geomechanics (IFG), afirmou que foram instalados sensores, que oferecem informações em tempo real do subsolo da ilha de Itaparica. Essa é uma das medidas preventivas que visa proteger os habitantes.

Sinkhole

O fenômeno pode ser causado vários motivos e um deles é o entupimento dos canais freáticos, ou seja, o solo perde pressão interna por falta de água. Assim, a camada superficial fica muito fina e tende a ceder formando uma cratera ou “sumidouro”.

A causa da erosão na propriedade da Dow Química é desconhecida, mas estudos estão sendo realizados por especialistas da área. Estima-se que no segundo trimestre de 2019 haverá conclusão e divulgação das analises.

A tendência é que as bordas se igualem a largura do fundo causando, assim, a estabilização do solo. O aumento do comprimento da cratera irá aumentar até a completa estabilização do terreno, afirma analista.

Publicidade

A preocupação do MPBA

O Ministério Público do Estado da Bahia está tomando as providências cabíveis para detectar as causas da abertura da cratera. Eduvirges Tavares e Ubirajara Fadigas, promotores de Justiça, instauraram inquéritos para averiguar a causa com o objetivo de preservar as vidas dos moradores de Matarandiba e o Meio Ambiente.

A Dow Química informou ao MP-BA que a cratera está próxima a um poço que não é operado desde 1985 e enfatizou que o acesso à área está isolado e vigiado para evitar a presença de pessoas no local.

A ilha de Itaparica possui 146 quilômetros quadrados de superfície com 55.000 mil habitantes distribuídas em dois municípios que são Itaparica e Vera Cruz, onde fica a vila de Matarandiba com 900 habitantes.