Nesta sexta-feira, 11 de março de 2016, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) completa 25 anos em vigor. O instrumento de proteção aoconsumo dos cidadãos brasileiros foi instituído a partir da Lei nº 8.708, promulgada no dia 11 de setembro de 1990, e modificou significativamente as relações entre consumidores e fornecedores.

"O Código de Defesa do Consumidor foi um dos grandes avanços da Constituição de 1988 e regula as relações de consumo. É visto por alguns juristas como um dos mais avançados do mundo, e, de fato, é o maior responsável por todas as melhorias que vemos hoje.O objetivo do CDC é buscar um maior equilíbrio nas relações de consumo, e, para isso, protege o consumidor, que é considerado a parte mais vulnerável.

Porém, ao definir regras claras, acaba por proteger toda a relação de consumo, trazendo mais segurança para o próprio fornecedor", afirma Rodrigo Suarez, fundador do site Justiça Seja Feita, que une advogados a consumidores que desejam auxílio para casos em Juizados Especiais (Pequenas Causas).

Segundo ele, a instituição da Leitrouxe garantias que até então não eram comuns: “Há 20, 30 anos atrás as relações de consumo eram praticamente unilaterais.Quem estabelecia as regras era o fornecedor e o consumidor tinha que aceitar ou entrar na Justiça, pagar as custas legais e esperar anos para uma conclusão.

Hoje, falar em produtos sem data de validade, recusa de troca ou devolução de produtos e propagandas enganosas parece coisa de outro país. Mas essas práticas comerciais absurdas eram comuns”.

Comércio Eletrônico

Ao longo de seus 25 anos de existência, o CDC não esteve imune a mudanças. Por essa razão, passou por algumas alterações e, diante de novas demandas, ganhou novas interpretações a fim de suprir possíveis carências. Como exemplo, cabe citar as questões do meio eletrônico, como lojas virtuais, sites de hospedagem em residências e hotéis, e o Uber.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Negócios

Por outro lado, a possibilidade de novas interpretações não significa que a demanda dos consumidores virtuais seja plenamente suprida. Pensando nisso, foi criado o Projeto de Lei 281/2012, já aprovado no Senado e em análise na Câmara dos Deputados, que visa criar um Marco Legal no Código de Defesa do Consumidor para o e-commerce e comércio a distância. Com a aprovação do projetoserá possível haver uma cobertura maior em relação à devolução de bens e serviços, assim como estabelecer penas para fornecedores virtuais que realizem práticas abusivas.

Ferramentas da Internet

Por outro lado, a própria internet tem fornecido as ferramentas adequadas ao cumprimento dos direitos dos consumidores. “O internauta, hoje, tem acesso ao Procon e outras entidades reguladoras que recebem reclamações via site”, afirma Suarez. Além disso, o especialista ressalta a importância das redes sociais e dos sites de reclamações. Para ele, ambos deram voz aos consumidores e obrigaram as empresas a dar satisfação ao seu público. “A internet cumpre dois papeis de extrema importância neste processo: informar e multiplicar a voz dos consumidores”, diz.

No entanto, Suarez alerta para a necessidade de haver um uso responsável das ferramentas disponíveis, já que tem aumentado a recorrência nos tribunais de punições aos clientes que exageram ao ponto de denegrir a imagem de uma empresa. ”O consumidor não deve confundir o ato de expressar uma insatisfação com abusos morais”, afirma.“Hoje, o país oferece ao consumidor todas ferramentas para, caso necessário, ele possa defender o seu direito de forma eficaz e justa.A maior ameaça ao Direito do Consumidor é o consumidor que se cala ao aceitar uma injustiça”, conclui.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo