Em Machado, Minas Gerais, 378 km da capital Belo Horizonte, duas garotas de 14 e 15 afirmaram que foram violentadas sexualmente e dopadas por mais de 20 homens. Isso teria ocorrido nos dias 18 e 19 de junho em um final de semana. A Polícia alega que o crime foi inventado pelas garotas, que entregaram uma lista com 24 nomes que seriam os supostos estupradores, na investigação, houve tiroteio e a prisão de 6 suspeitos. Em meio às investigações, a Polícia Civil de Minas Gerais concluiu que havia incoerências nos depoimentos das garotas.

Nos depoimentos prestados peloshomens, eles afirmaram que uma das meninas teve relação consensual com três dos acusados.

O delegado responsável pelo caso, Juliano Lago, disse que, após ouvir o depoimento dos garotos, as falas das meninas se tornaram incoerentes, o que indica que tudo foi uma grande farsa"como os depoimentos deles foram bastante coerentes, resolvemos confrontar as supostas vítimas com as informações e elas acabaram confessando que o estupro coletivo não aconteceu. Era tudo mentira." avaliou o delegado.

As garotas alegaram que o estupro coletivo ocorreu durante uma festa, porém, no exame da perícia, apenas uma das jovens aparentou sinais recentes de relação sexual, e não havia nenhuma lesão corporal.

O motivo pelo qual as meninas decidiram inventar o estupro coletivo, foi para tentar incriminar pessoas de uma gangue rival, o fato surpreendeu os policiais.

Elas disseram que têm amigos de uma outra gangue, e isso seria como uma vingança.

A Polícia Civil investiga atividades criminosas que envolvem pessoas das gangues, então,seis menores continuam detidos por crimes que incluem tráfico de drogas e homicídios.

Na segunda-feira passada (27), a Polícia Civil anunciou que o caso foi resolvido, afirmando em nota, que tudo não passou de uma farsa inventada pelas meninas, que, nosegundo depoimento prestado pelas garotas, foram confessados e justificados os motivos que elas tiveram para inventar tamanho "drama", que envolveu 24 nomes de acusados e investigações da Polícia Civil de Minas Gerais.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!