O ministro da Justiça, Sergio Moro, comentou nesta última quinta-feira (24), segundo informações do jornal Folha de S.Paulo, sobre a possível decisão do Banco Central que atinge parentes de políticos. Em Davos, o ex-juiz declarou que poderia ou não compactuar com a ideia do Banco Central em excluir parentes de políticos das movimentações financeiras. O tema ainda deverá ser discutido.

O ministro disse que soube do acontecimento através da mídia e que ainda não tem uma posição final, pois não checou com proximidade o tema.

Publicidade
Publicidade

Moro quer entender o porquê dos reguladores do Banco Central abrirem em discussão esta proposta. Desde que assumiu o Ministério da Justiça, Sergio Moro enfatizou sua luta no combate à corrupção.

Moro disse que acredita que os reguladores não estejam propondo a "coisa certa". No entanto, disse que a "intenção é boa". O ex-juiz ainda cita que os reguladores fazem parte da gestão do Governo anterior.

Publicidade

O Banco Central abriu como discussão pública o tema. Conforme decisão em 2009, pessoas que são próximas a políticos têm suas contas fiscalizadas para evitar crime de lavagem de dinheiro. Por esse motivo, o tema foi levantado mais uma vez em questão.

Para finalizar a discussão que ocorreu em Davos, durante o Fórum Econômico Mundial, na sessão "No escuro: crimes globalizados", o ministro disse que ainda não tem conclusões sobre a proposta.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Sergio Moro

Procurador Deltan Dallagnol se manifestou contrário

O procurador da República e coordenador da força-tarefa das investigações da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, que ganhou notoriedade durante operação e também por apresentar um Power Point incriminando o ex-presidente Lula, falou sobre a discussão no BC. Para Deltan, segundo informações do site O Antagonista, funcionários e parentes são utilizados frequentemente por políticos para cometerem crimes como o de lavagem de dinheiro.

Em um ponto que o procurador levantou, foi que isso é muito fácil de ocorrer, já que a relação entre pais, filhos e companheiros costuma ser de confiança, colocando então pessoas próximas a políticos em situações desastrosas e ilícitas. As declarações do procurador foram dadas através de publicações na rede social Twitter. Deltan Dallagnol, ainda disse que a influência de parentes é algo tentador devido a grande proximidade.

Publicidade

Dallagnol posicionou-se contrário a questão do Banco Central e ainda chamou de "absurda".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo