Preso sob a acusação de cometer diversos crimes sexuais, o médium João de Deus se sente injustiçado de acordo com seu advogado, Alberto Toron. Ele está detido em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital de Goiás. Nessa sexta-feira (11) o G1 entrevistou o advogado para saber como o médium está passando e recebeu a informação de que ele está bastante debilitado e reagiu com muita tristeza à suspensão do julgamento de seu habeas corpus e tem se mantido, de acordo com a defesa, apenas com sua imensa fé.

Publicidade
Publicidade

Tem andado com a ajuda de uma bengala. "Cabeça baixa, barba por fazer, cabelo despenteado. Um farrapo humano”, afirmou o advogado.

A suspensão do julgamento se deu porque um dos desembargadores do caso precisa de mais tempo para apreciar as denúncias. João está preso há quase um mês, desde o dia 16 de dezembro. Num primeiro momento, o Ministério Público negou o habeas corpus por julgar que ele pode fazer novas vítimas ou ameaçar as já existentes se estiver fora da cadeia à espera de julgamento, assim como pode fugir, uma vez que foi encontrado em sua residência muito dinheiro em espécie.

O advogado nega a possibilidade de fuga assim como nega que tenha havido coação ou ameaças às testemunhas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Novo indiciamento

Nesta quinta-feira (10), João de Deus e sua esposa, Ana Keyla Teixeira, foram indiciados pelo crimes de posse ilegal de arma de fogo e o médium sofreu novo indiciamento por conta de uma outra acusação de abuso sexual.

O poder judiciário está fazendo as devidas análises legais para o encaminhamento das denúncias ao Ministério Público, e o órgão decidirá se as acusações procedem, acatando a denúncia ou arquivando o processo. Caso aceite, o médium se torna réu e passa por julgamento, onde pode ser declarado culpado ou inocente.

Publicidade

O caso

No dia 7 de dezembro, no Programa do Bial, algumas testemunhas falaram dos abusos sexuais e psicológicos vividos nas mãos do médium enquanto estavam em seu estado mais vulnerável e foram pedir ajuda. A holandesa Zahira Mous disse no programa que sofreu duas agressões sexuais e foi, inclusive, penetrada por trás, dentro do banheiro de frente para o espelho. À época, ela não denunciou por medo de represálias.

Pouco tempo depois, a própria filha do médium, Dalva de Oliveira, também prestou queixas dizendo ser molestada sexualmente desde criança, o que gerou ainda mais indignação da população e de muitos famosos que já foram procurar ajuda do médium.

A partir daí foi decretada a prisão preventiva do médium.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo