Envolvido no acidente que vitimou o jornalista da Band Ricardo Boechat na tarde desta segunda-feira (11), na rodovia Anhanguera, em São Paulo, o motorista João Adroaldo Tomackeves, de 52 anos, que dirigia o caminhão atingido pelo helicóptero, disse que não viu a aeronave e que só foi perceber a dimensão do que havia acontecido após conseguir deixar a cabine, que ficou parcialmente destruída.

“Do nada cai uma coisa lá do céu em cima da tua cabeça”, contou o motorista aos jornalistas.

Ele relatou que havia acabado de deixar uma praça de pedágio e que ainda estava em baixa velocidade quando sentiu a batida na cabine e depois não viu mais nada por conta dos destroços que encobriram sua visão. “Só vi realmente depois que eu estava fora”. Tomackeves relatou que só sentiu o estrondo e tudo que lhe passava pela cabeça era parar o caminhão.

Ele disse ainda que a aeronave veio de cima para baixo e não de frente.

“Do nada aquele estrondo, sobe metade da cabine na minha frente”, relembra o motorista, que acredita ainda que se o helicóptero tivesse acertado um carro as consequências para seus ocupantes poderiam ser mais graves. “Fosse um veículo pequeno poderia ter sido muito pior”, lembra.

O motorista só ficou sabendo que Boechat era uma das vítimas após conseguir deixar a cabine do caminhão. Ele lamentou a morte do jornalista, do qual disse ser um fã, e jamais imaginaria que era ele quem estava na aeronave.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Com ferimentos leves, ele ficou preso nas ferragens e um dos vídeos que circula na internet mostra algumas pessoas tentando abrir a porta enquanto ele próprio tirava os destroços que estavam na frente.

Os primeiros socorros

Ele relata ainda que a vendedora Leilaine da Silva foi a primeira pessoa a falar com ele após o Acidente. A mulher o questionava se ele estava bem ou se tinha algum ferimento. Eles se encontraram no hospital e teve a oportunidade de agradecer.

Durante seu depoimento na delegacia, Tomackeves passou mal e precisou de atendimento médico.

O motorista conta ainda que em 31 anos de profissão nunca havia se envolvido em um acidente. Ele havia saído de Caxias do Sul no domingo para transportar uma carga de trigo até Diadema. Após a entrega ele seguia para Cajamar, onde carregaria o caminhão com matéria-prima e depois retornaria para a cidade gaúcha.

Segundo o gerente de logística da empresa à qual pertence o caminhão, Adriano Rech, pelas imagens deu para ver que o veículo teve perda total.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo