O ataque à escola estadual Professor Raul Brasil, ocorrido nesta quarta-feira(13) em Suzano, na Grande SP, e que deixou sete mortos, além dos dois atiradores, estava sendo planejado há mais de um ano. É o que apontam as primeiras investigações feitas pela Polícia Civil, que busca saber as reais motivações para o massacre.

De acordo com as investigações preliminares, Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, pretendiam matar mais de 13 pessoas, superando assim a quantidade de vítimas do massacre de Columbine, que no próximo mês de abril completará 20 anos.

Publicidade
Publicidade

Em 20 de abril de 1999, dois ex-alunos invadiram Columbine High School, nos EUA, mataram 12 alunos e um professor e depois cometeram suicídio.

Momentos antes de cometer o massacre, Guilherme postou fotos nas redes sociais com uma arma em punho e com uma máscara de caveira, a mesma que ele usava durante o ataque. Um amigo de um dos assassinos relatou aos policias que um dia antes soube da intenção dos atiradores em cometerem o massacre, mas ele não sabia quando isso seria feito.

Ao todo, 230 pessoas próximas aos assassinos já foram ouvidas. A polícia também busca saber como eles conseguiram todo o armamento e como alugaram o carro que usaram para chegar na Escola.

No ataque, morreram cinco alunos e duas funcionárias da escola. Momentos antes, o tio de Guilherme foi baleado em morto na loja de veículos que era dono. De acordo com a polícia, o homem teria sido morto porque teria descoberto os planos da dupla em praticar o ataque.

Publicidade

Evidências

Durante as buscas feitas nas casas dos atiradores, a polícia encontrou um caderno de anotações com táticas de jogos de combate e regras de conduta na escola. Também haviam desenhos de armas. A polícia diz ainda que eles tinham um pacto de se matarem após cometerem o crime, fato que ocorreu após eles se depararem com uma equipe do Gate nos fundos da escola. Segundo a polícia, Guilherme matou o comparsa e em seguida cometeu suicídio.

Também está sendo investigada a participação da dupla em um fórum extremista na internet.

Em uma das discussões, um deles chega a agradecer os conselhos recebidos no grupo.

Leia tudo