A cabeleireira Rosangela Veleda Gomes realizou o sonho de viajar em um cruzeiro do Porto de Santos até o Rio de Janeiro e Balneário Camboriú (SC), e de ir para o exterior, após juntar certa quantia em moedas vendendo chup-chup de 32 sabores diferentes por um preço acessível.

Com 49 anos de idade, Rosangela, moradora de Santos, no litoral de São Paulo, contou ao site G1 que teve sua atenção despertada ao se deparar com um pacote de Viagem em promoção. Com o intuito de conseguir realizar o tal passeio, a gaúcha --que já vendia chup-chup para complementar a renda-- resolveu definir o destino do dinheiro obtido com as vendas do doce.

O destino seria a viagem.

Rosangela comprou um cofre de plástico somente para guardar as moedas obtidas com as vendas dos chup-chups que fazia. Segundo ela, se não houvesse um objetivo traçado para o gasto do dinheiro obtido, no final do mês, a quantia seria gasta, portanto, ficaria apenas trabalhando para pagar contas e não juntaria nenhum valor a mais.

Rosangela levou um 'cofre' cheio de moedas para pagar pelo passeio

A cabeleireira relata ter comprado a estadia do cruzeiro, que realizou em fevereiro desse ano, no ano passado, e no mesmo mês dessa viagem, adquiriu as passagens para a Argentina, passeio que fará em abril desse ano com o marido.

Para a compra da segunda viagem, a gaúcha e o marido foram até a agência de turismo com o cofre cheio de moedas. A contagem do dinheiro durou 34 minutos, contabilizando R$ 1.617.

O responsável pela agência de viagens, o empresário Rafael Roberto, ficou surpreso ao ver Rosangela com um cofre de plástico prestes a comprar suas passagens. Segundo ele relatou ao G1, não é muito comum trabalharem com dinheiro na loja, visto que o uso de cartão de crédito e cheques são mais utilizados para grandes quantias de dinheiro.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Viagem

O empresário também afirmou que mexer com dinheiro é algo complicado, ainda mais moeda e relata trocar algumas moedas com os moradores do bairro para poder dar de troco, apenas.

Entretanto, no cofre de Rosangela, entravam apenas moedas de R$ 1,00 e R$ 0,50 centavos, uma vez que a contagem é mais fácil. A cabeleireira afirmou ser mais fácil juntar moeda do que dinheiro de papel, pois a moeda acaba vindo a ser “esquecida” quando guardada. De acordo com ela, o objetivo de juntar as moedas era gastar com alguma coisa que pudesse ser aproveitada por ela, e não pagando contas.

Por fim, Rosangela foi capaz de realizar seu sonho de poder viajar apenas juntando o dinheiro da venda de seus chup-chups de 32 sabores diferentes, incluindo até alguns alcoólicos, e sendo o de leite ninho com nutella o campeão das vendas. Ela afirma ter prazer em juntar moeda por moeda e fazer a compra com as mesmas, sem trocá-las antes. Rosangela relata, entusiasmada, que seu próximo destino será o Nordeste.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo