A delegada titular da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, Juliana Lopes Bussacos, concluiu nesta segunda-feira (29) o inquérito sobre as acusações de abuso e agressão feitas pela modelo Najila de Souza contra o jogador Neymar, do Paris Saint-Germain. A Polícia decidiu não indiciar o atleta pelos supostos crimes.

O inquérito foi encerrado sem o laudo médico particular da modelo e das imagens das câmeras de segurança do hotel de Paris onde ocorreu o encontro entre Najila e o jogador do PSG.

O Ministério Público, por sua vez, pediu cópias dos inquéritos de extorsão, do que apura o suposto furto no apartamento da modelo e sobre a propagação de imagens íntimas da mulher.

Essas cópias foram anexadas à investigação de abuso.

Uma entrevista coletiva será concedida pela delegada nesta terça-feira (30). O Ministério tem 15 dias para se manifestar. Para o advogado da modelo, Cosme Araújo, o caso não está encerrado.

Relembre o caso

Após conhecer a modelo por meio de trocas de mensagens em rede social, o jogador a convidou para ir até Paris e marcou com ela um encontro em um hotel da capital francesa, ocorrido no dia 15 de maio. Na acusação, Najila diz que foi abusada exatamente nesta data.

Em 16 de maio, dia seguinte ao primeiro encontro, os dois voltaram a trocar mensagens e posteriormente se encontraram novamente no mesmo hotel. Nesse novo encontro eles brigaram e um vídeo registrou a modelo dando tapas no jogador. Após Neymar deixar o hotel eles conversaram por meio de mensagens e ela o acusa de ter deixado marcas em seu corpo.

Já de volta ao Brasil, em 21 de maio, a modelo se examinou com o médico Luiz Eduardo Rossi Campedelli. Os resultados do laudo apontaram arranhões nos glúteos, hematomas, além de transtorno ansioso e depressivo e traumatismos superficiais não especificados.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Neymar

Dez dias depois, ela registrou Boletim de Ocorrência em uma delegacia de São Paulo.

Um dia após a modelo registrar o BO o caso veio a público e o pai de Neymar disse que o jogador estava sendo vítima de extorsão. Em 2 de junho o próprio atleta gravou um vídeo, afirmando que a relação foi consentida. No dia seguinte, o primeiro advogado contratado pela modelo deixou o caso.

Najila concedeu uma entrevista em 5 de junho, quando disse que o jogador ficou furioso e a agrediu após ela se recusar a ter relação com preservativo.

No dia 6 Neymar prestou depoimento e no dia seguinte foi a vez da modelo prestar depoimento. Na ocasião ela disse que o tablet que continha imagens dela com o jogador foi furtado. No dia 10 de junho, o segundo advogado da modelo deixou o caso.

Nos dias seguintes, o ex-marido de Najila, Estivens Alves, e uma amiga dela, Yasmin Abdalla, também prestaram depoimento para falar do sumiço do aparelho da modelo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo