Uma menina de 5 anos foi abusada sexualmente na cidade de Cubatão, no litoral de São Paulo. O crime teria ocorrido na casa da própria família, após sua mãe sair para pagar uma conta e deixar a menina brincando no quintal de casa. Um primo da jovem, 32 anos, é suspeito de ter cometido o crime.

Idamari da Silva, de 27 anos, só soube do abuso contra a filha 11 dias depois. O abuso teria acontecido no dia 20 de maio e somente no dia 31 do mesmo mês, após perceber sangramento nas partes íntimas da filha, foi que a criança contou à mãe o que tinha ocorrido.

A menina contou à mãe que tentou evitar o abuso se enrolando em um lençol, mas mesmo assim foi violentada pelo primo.

Idamari conta que no dia que saiu e deixou a criança na casa, estranhou que havia deixado o imóvel todo aberto e quando retornou encontrou a casa com as portas e janelas da frente fechadas e a menina deitada enrolada em um lençol.

Idamari notou também que a filha mudou seu comportamento após o abuso, não querendo usar roupas femininas e cortando o próprio cabelo. Segundo a mãe, a criança disse ainda que não queria ser mais mulher, que era uma coisa ruim, e que desejava morrer: "estou cansada dessa vida e quero ir morar no céu com Deus".

A mãe desabafou dizendo que quando ouviu a filha pedindo para morrer foi muito difícil e ela ficou muito mal. Ela contou que jamais imaginou que o homem fosse capaz de fazer uma coisa dessas, que ele era como um irmão para ela.

Idamari contou ainda que o suspeito ameaçou a menina de morte para que não contasse nada aos pais. Ela pediu por justiça.

O pai da menina, Janiclecio do Amaral Morais, de 33 anos, foi criado com o suspeito no Estado de Pernambuco e eles estavam sempre juntos. Ele desabafou ao site G1: "fiquei muito revoltado vindo de quem veio. E mais ainda com a justiça, que é muito lenta".

Tentativa de negociação

Após a família descobrir o abuso contra a menina, o suspeito teria tentado negociar com os mesmos para que retirassem a denúncia contra ele. Segundo a mãe da menina, quando ela descobriu tudo e entrou em contato com o primo através do WhatsApp, ele negou tudo e disse que ia com ela à delegacia para esclarecer o caso, mas no dia seguinte ele fugiu.

Depois que fugiu, o rapaz entrou em contato com a prima através de mensagens oferecendo a eles uma casa e um terreno em Cubatão, para que retirassem a queixa contra ele. A mulher contou que o mesmo chegou até a ameaçá-la dizendo que era para ela retirar a queixa para poupar a vida dela, mas como ela não cedeu, o mesmo sumiu. Ela contou que sabia onde ele estaria se escondido, pois, parentes já contaram para ela, mas que a Polícia até o momento não havia feito nada.

A mãe da menina desabafou ao G1: "só queremos justiça e que ele vá preso, é um trauma horrível". O pai da menina disse que o suspeito negou o abuso, mas quando ele questionou que os exames confirmaram o abuso, o suspeito chegou a oferecer os imóveis para o casal ficar calado e não prosseguir com a denúncia.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!