Os estudantes do Centro Estadual de Educação Profissional de Curitiba tomaram a iniciativa de começar um projeto para a construção de abrigos para os moradores de rua da cidade usando caixas de leite.

A disciplina que cobrou dos alunos um projeto era a de edificação, e, com isso, eles perceberam que poderiam ajudar pessoas necessitadas com um projeto que poderia ajudá-las a se protegerem do frio que faz na cidade durante o inverno, criando abrigos para elas se manterem durante estes períodos de frio extremo.

Os alunos do Ensino Médio então criaram o projeto utilizando caixas de leite como matéria-prima.

Estudantes comentam a ideia

Leonardo de Souza das Neves, de 16 anos, que é aluno do Centro Estadual, declarou à reportagem da RPC, afiliada da Rede Globo em Curitiba, que sabe estar ajudando uma pessoa com o mínimo para poder não passar frio nesta situação em que vivem e destacou que é uma coisa maravilhosa.

Para criar este projeto, os jovens tiveram inspiração em um outro projeto conhecido, o “Brasil sem Frestas”, que venceu o prêmio “Bom Exemplo”. Neste projeto, os voluntários utilizavam caixas de leite para tampar os buracos das casas de madeiras de pessoas necessitadas, utilizando as mesmas caixas de leite que os jovens agora utilizam para poder criar as casas para abrigar os moradores de rua do frio da cidade.

A partir da ideia que tiveram, inspirados pelo projeto, eles perceberam que as caixas de leite podem ter um isolamento térmico ideal para que eles pudessem criar abrigos para os moradores de rua a partir delas. E foi assim que eles decidiram então começar o projeto utilizando deste material para poder ajudar os necessitados.

Eles então criaram uma espécie de cabana para os moradores de rua, que consegue atingir uma temperatura de 20º C a 22º C, e também pode proteger os moradores de rua das chuvas.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Educação

Além disso, os estudantes utilizaram de uma técnica, da qual é feita uma dobradura, facilitando para que a cabana possa ser transportada facilmente pelos que a utilizarem, proporcionando maior mobilidade.

No entanto, o projeto está sendo desenvolvido pelos alunos há cerca de um ano. Até chegar neste formato que agora eles conseguiram atingir, eles precisaram de muito tempo e de descobertas pela melhor forma para desenvolver a cabana.

Depois da criação para os moradores de rua, os estudantes ainda não ficaram satisfeitos e foram além, criando também uma manta que pode ser utilizada pelos moradores de rua para poderem se esquentar nos períodos mais frios.

Agora, os adolescentes têm o desejo de conseguir produzir e distribuir as cabanas para todos aqueles que precisam na cidade, atingindo o maior número de pessoas necessitadas possível.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo