Na última quinta-feira (21), a juíza Sueli Zeraik concedeu uma liminar proibido a publicação de um livro sobre Suzane von Richthofen, responsável por um dos crimes de maior notoriedade do Brasil.

A decisão de Zeraik aconteceu em caráter provisório e representa uma reversão em relação a outro processo relacionado à obra literária. Apesar disso, o autor do livro e a editora afirmaram que pretendem recorrer para reverter a decisão em questão.

A publicação de Suzane – Assassina e Manipuladora, de Ulisses Campbell , estava prevista para o ano de 2020.

A obra seria lançada pela editora Matrix. Em termos de enredo, destaca-se que o livro retrataria a história do crime, desde o planejamento até a execução, realizada pelos irmãos Daniel e Cristian Cravinhos, respectivamente, namorado e cunhado de Suzane na época dos assassinatos. Os dois ainda cumprem pena pelo crime.

A liminar que impede a publicação da obra está sendo mantida sob sigilo. Entretanto, de acordo com informações do site G1, a juíza afirmou que a obra fornecia detalhes a respeito da vida de Suzane e que Ulisses Campbell pontuou que teve acesso a pessoas próximas à presa, como agentes penitenciários e psicólogos.

Além disso, a magistrada destacou que a obra analisa o processo von Ritchthofen, que foi colocado sob sigilo ainda em 2016.

De acordo com a juíza, a publicação configura sensacionalismo e contribui para que Suzane seja execrada publicamente. Isso dificultará para que ela consiga se ressocializar após deixar a penitenciária de Tremembé. Desde o ano de 2017, a detenta busca meios de conseguir cumprir o restante de sua pena em liberdade.

A limiar de Sueli Zeraik ainda pontua que o acesso conseguido por Campbell aos registros capazes de sustentar a veracidade presente no livro não são legítimos.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Mulher

Isso se deve ao fato de que não existem quaisquer provas de que o autor do livro tenha se encontrado ou conversado com pessoas ligadas ao presídio em que Suzane cumpre pena. Além disso, o ato seria proibido pela lei. Entretanto, tais afirmações estão sendo contestadas pelo autor e pela editora responsável pela obra.

Por fim, para Zeraik, não existe qualquer tipo de interesse por parte do público nesse caso e a publicação serviria somente para causar danos a Suzane. A própria detenta se recusou a conceder uma entrevista a Ulisses Campbell.

Declaração da editora

De acordo com informações fornecidas pelo dono da editora Matrix ao G1, a empresa tentará reverter a decisão judicial. Paulo Tadeu, o dono da editora, destacou que tem respeito pelo trabalho da magistrada, mas pontuou que ela ainda não leu o livro, de forma que as suas afirmações não correspondem à verdade. Tadeu ainda destacou que a apuração de fatos feita por Campbell é excelente e não possui qualquer caráter ilegal.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo