Depois de 20 anos do caso, a Justiça da Bahia está avaliando a possibilidade de soltura do homem que matou três pessoas e deixou outras cinco feridas em 1999 durante um ataque a uma sala de Cinema de um shopping na zona sul de São Paulo.

Entretanto, antes que as autoridades tirem uma conclusão definitiva, o assassino precisará passar por mais um exame psiquiátrico, o seu terceiro, que será capaz de determinar a sua capacidade de deixar o Hospital de Custódia e Tratamento, local onde está há 10 anos.

No hospital em questão, localizado na cidade de Salvador, o detento em questão está cumprindo a sua medida de segurança restritiva de liberdade e recebendo o tratamento contra a esquizofrenia, que consiste no uso de medicamentos controlados.

Ainda antes da confirmação sobre a doença mental, realizada por meio de laudos médicos, o assassino em questão cumpriu a sua pena em um presídio localizado também em Salvador.

Existem fortes indícios de que o homem conseguirá a sua liberação, uma vez que os dois exames anteriores foram favoráveis a sua soltura.

Entretanto, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) ainda deseja realizar mais testes clínicos para ter certeza de que o homem em questão não representa um risco para a sociedade caso seja colocado em liberdade.

Porém, é possível destacar que o Ministério Público não se mostrou favorável à soltura imediata do criminoso.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Cinema

De acordo com o MP, isso precisa ser realizado de maneira mais gradativa, visto que pode representar consequências devastadoras caso ocorra bruscamente.

A defesa do assassino, por sua vez, aponta que ele possui condições de dar continuidade ao seu tratamento junto com a família.

Até o presente momento, ainda não se tem confirmação a respeito da realização dos exames citados anteriormente. Os resultados obtidos pelos testes em questão podem ser de grande ajuda na decisão da Justiça no que tange a aceitar a desinternação como foi solicitada pela defesa ou atender o que acredita o MP. De acordo com a defesa, o assassino não voltará a cometer crimes caso seja colocado em liberdade.

Entenda o crime

O crime em questão aconteceu ainda no dia 3 de novembro de 1999. Na ocasião, o assassino em questão –que era estudante de medicina– compareceu a uma sala de cinema localizada no MorumbiShopping, na zona sul de São Paulo, de posse de uma submetralhadora e abriu fogo.

Quando cometeu o crime em questão, o jovem tinha apenas 24 anos de idade. Ele esperou a sessão começar e somente então puxou a arma citada, iniciando os disparos contra as 30 pessoas presentes na sala.

Ao todo, oito pessoas foram baleadas e três delas vieram a óbito. Além disso, as outras cinco ficaram feridas. Estima-se que o total de 15 pessoas tenha conseguido escapar da sala sem ferimentos.

Na ocasião em que cometeu o crime, o assassino alegou um surto psicótico que teria culminado nesses atos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo