Suzane von Richthofen é uma das detentas mais conhecidas do Brasil.

Condenada a 39 anos de prisão por conta do assassinato de seus próprios pais há 17 anos, a jovem voltou a estampar o noticiário, desta vez por conta de seu bom desempenho nos estudos, bem como por sua boa colocação no Sisu.

Desde 2015, quando sua pena progrediu, Suzane usufrui do direito a saídas temporárias em datas especiais .

Condenada pela morte dos pais é aceita no Sisu

O Sisu (Sistema de Seleção Unificada) após a apuração das notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), divulgou os pontos, bem como a classificação dos estudantes que aplicaram para vagas nas diversas universidades do país.

Divulgando publicamente em seu site as notas classificatórias dos aprovados, o nome de Suzane von Richthofen apareceu em oitavo lugar na lista de aprovados.

O curso escolhido por Suzane ao aplicar para o Sisu, foi o de Gestão de Turismo.

O campus selecionado por von Richthofen no ato da aplicação de sua nota para o Sisu é o Instituto Federal de Ciência, Tecnologia e Educação de São Paulo (IFSP), que fica localizado no município de Campos do Jordão, situado a cerca de 40 quilômetros do presídio de Tremembé, onde Suzane cumpre pena em regine semiaberto.

Suzane somou 608.42 pontos no Sisu

A detenta disputou uma vaga no curso de Gestão em Turismo no período da noite e por conta de sua boa pontuação e colocação, acabou por ganhar a permissão do Instituto Federal de Ciência, Tecnologia e Educação de São Paulo (IFSP) para realizar sua matrícula.

Suzane obteve um total de 608.42 pontos, sendo sua nota apenas 24 pontos abaixo da primeira colocada na classificação divulgada pelo Sisu.

Em 2017 von Richthofen foi pré-selecionada no Fies

Em 2020, não foi a primeira vez em que Suzane se destaca e conquista algo no meio educacional.

No ano de 2017, a detenta foi pré-selecionada por uma faculdade particular da cidade de Taubaté, em São Paulo, para cursar a graduação de Administração de Empresas, através do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

A fim de integrar a detenta à sociedade, no ano de 2016, a Justiça optou por autorizar Suzane a se matricular e cursar Administração de Empresas no campus da universidade Anhanguera em Taubaté, porém por motivos não revelados, ela acabou por não dar continuidade aos estudos.

A legislação vigente no Brasil prevê que detentos que cumprem regime semiaberto são aptos a deixar a penitenciária para estudar, desde que os mesmo voltem para a prisão diariamente após o período das aulas.

No caso dos detentos que desejam dar continuidade ou retomar os estudos, é necessário que haja um bom desempenho, a fim de que a autorização para as saídas continue vigente.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Educação
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!