Bruna Castro é advogada da detenta trans Suzy que Drauzio Varella abraçou no presídio durante uma entrevista ao “Fantástico”, programa da Globo. A repercussão da matéria que o médico comandou ainda está dando o que falar. Nesta última segunda-feira (9), a advogada comentou a entrevista e explicou em quais artigos se enquadram a sentença que levou sua cliente a condenação.

Segundo contou Bruna, ela foi até ao presídio conversar com Susy Oliveira e deixar ela ciente do que acontecia aqui em fora devido todo o burburinho causado por sua entrevista concedida ao oncologista Drauzio Varella e veiculada no dia 1° de março.

A própria advogada relatou que a detenta já se encontra em cumprimento de pena imposta na sentença.

Nome de batismo revelado

Bruna enfatizou sobre o caso da detenta ao dizer em rede social que Suzy já foi julgada e condenada à pena de 30 anos, que já teria cumprindo boa parte dela, uns 10 anos já. O vídeo completo se encontra no Instagram da moça. A advogada também disse que não caberia julgar a condenada a essa altura com a presa cumprindo pena pelo seu crime. Bruna também revelou o nome de batismo de Suzy, Rafael Tadeu de Oliveira dos Santos.

Foi divulgada em vários veículos de comunicação uma carta que a condenada teria escrito de dentro do presídio com pedido de desculpa e se dizendo arrependida dos crimes que cometeu. “Eu, Suzy Oliveira, “Rafael Tadeu”, venho dizer que na entrevista ao jornal ‘Fantástico’ não me foi perguntado nada referente ao B.O”, dizia um trecho da carta.

Os internautas se revoltaram, pois não imaginavam que a presa teria cometido suposto crime de assassinato e violência contra uma criança.

Antes da revelação o público estava comovido com fato de Suzy estar há oito anos sem receber nenhuma visita, como ela havia contado a Drauzio.

O médico Drauzio Varella

O oncologista fez questão de emitir uma nota para esclarecer todo o burburinho na mídia e redes sociais que circulava a notícia de que a Globo teria omitido o fato da presidiária Susy está detida pelo fato de ter matado uma criança sem defesas com requintes de crueldades.

O povo havia se comovido com a presa sem imaginar do ato desumano cometido com a criança. No seu Twitter, Drauzio Varella postou uma nota dando sua posição para o ocorrido durante sua entrevista com a detenta. O médico disse em nota no Twitter a seguinte frase: “Sou médico, não juiz”.

Não perca a nossa página no Facebook!