Muitas pessoas precisam de entregadores de aplicativos para receber suas encomendas e, até mesmo, suas refeições nessa quarentena. Uma greve de entregadores de apps, que já estava sendo organizada pelo WhatsApp, acontece nesta quarta-feira (1º), com adesão de entregadores de apps como Rappi, iFood, Uber Eats e Loggi. A greve pode atingir diversas cidades do Brasil nas quais esses aplicativos atuam.

Esse movimento vinha sendo organizado durante todo o mês de junho através do WhatsApp e não tem uma liderança centralizada. Porém, em cada cidade em que esses aplicativos funcionam, há organizadores mais atuantes na paralisação.

Com a hashtag #BrequeDosApps, a paralisação vem ganhando força nas mídias sociais e também permitindo que os entregadores de todo o Brasil possam se comunicar e narrar os vários “sufocos” nas várias e exaustivas entregas de refeições e produtos, que aumentaram com a pandemia do coronavírus.

O movimento teve uma atuação tão grande que vem ganhando adesão até mesmo de entregadores de outros países da América Latina, como Argentina, Colômbia e Chile.

Algumas das reivindicações dos entregadores são auxílio-pandemia, aumento do valor mínimo da corrida e seguro de roubo e acidente.

O que dizem as empresas

Segundo nota da Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (AMOBITEC), que representa os entregadores de apps, as empresas do setor fizeram, desde o início da quarentena, várias ações para apoiar os motoboys que são parceiros.

Essas ações são distribuir materiais de higiene e de limpeza, como máscaras, e também álcool em gel. Também as empresas fornecem desinfetantes, além da criação de vários fundos para o pagamento de um auxílio para entregadores que são diagnosticados com a Covid-19 ou quem está no grupo de risco.

A nota também esclarece que os motoboys que estão cadastrados nas entregas dos aplicativos estão sendo cobertos por um seguro contra um eventual acidente durante a entrega.

Os aplicativos de entrega funcionam em um sistema dinâmico e mais flexível, buscando fazer um equilíbrio entre as necessidades dos motoboys, dos restaurantes e dos clientes. Essas ações de combate dessa crise foram elaboradas mesmo em um ambiente de total concorrência entre muitas empresas durante esse aumento de pedidos.

Segundo a AMOBITEC, diante de um ambiente econômico com uma grande crise por causa da pandemia do coronavírus, essa flexibilização dos aplicativos está sendo decisiva para que as centenas de restaurantes, comerciantes, microempresas e motoboys tivessem uma oportunidade para gerar uma renda e, assim, dar apoio ao sustento das suas famílias.

Siga a página WhatsApp
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!