Uma reportagem que foi ao ar na noite deste domingo (5) no "Fantástico", na Rede Globo, causou revolta nos telespectadores. Uma mulher aparece nas imagens ofendendo um fiscal da Prefeitura do Rio de Janeiro, quando o mesmo inspecionava um bar na Barra da Tijuca.

Entenda o caso em que a mulher ataca fiscal

Flávio Garcia, que é superintendente na área de fiscalização da Vigilância Sanitária, estava realizando seu trabalho na noite de sábado (4), realizando inspeções em bares da Barra da Tijuca, para verificar as questões de higiene e distanciamento social para evitar a proliferação do novo coronavírus.

Em um determinado bar, que não estava cumprindo as regras, um casal veio tirar satisfação com o fiscal, agredindo-o verbalmente, desfazendo de sua pessoa e profissão. A mulher vira para o fiscal e diz: "cidadão não, engenheiro civil, formado, melhor do que você", ao defender o homem que estava ao seu lado. Na reportagem, o profissional disse que as pessoas foram extremamente agressivas, arredias e que mais uma vez a sua equipe foi ameaçada ao tentar proteger vidas.

Empresa fala sobre episódio divulgado

A mulher que apareceu na reportagem foi pega de surpresa na manhã desta segunda-feira (6) ao ser demitida pela empresa em que trabalhava.

O G1 tentou entrar em contato com a mulher, mas a mesma não atendeu ás ligações. A empresa TAESA, onde a mulher trabalhava, emitiu um comunicado sobre a decisão de demitir a mesma.

A nota diz que a TAESA é uma companhia que tem compromisso com a segurança e a Saúde, não apenas dos funcionários, mas da sociedade em geral.

Eles informaram que desde o começo da pandemia do novo coronavírus implementaram diversas iniciativas na intenção de proteger a saúde dos empregados e suas famílias.

A nota informa que a empresa implantou o home-office para todos os funcionários que trabalhavam na área administrativa e diversas medidas de proteção aos profissionais que operavam em campo.

A companhia informou que não compactua com comportamentos que coloquem em risco a saúde de outras pessoas, nem com atitudes que desrespeitam o trabalho e a dignidade das pessoas que trabalham na prevenção e no controle da pandemia.

Mulher é demitida da empresa

A empresa disse que tomou conhecimento do caso em que uma funcionária se envolveu em uma situação de desrespeito às leis que buscam diminuir os riscos de contágio pela Covid-19 e que compartilham da indignação da sociedade, ainda mais em um momento em que os números de infectados e de mortes continuam subindo no Brasil e no mundo. Segundo a TAESA, eles seguem cumprindo o isolamento e as regras para prevenção ao vírus e que a funcionária desrespeitou a política da empresa e que diante dos fatos expostos, a empresa tomou a decisão de demitir a mesma.

Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!