Hoje vamos falar de furo na orelha, mas não é para colocar brinco, como você pode pensar. Trata-se do Sinus auricular, uma deformação, se é que se pode chamar assim algo tão discreto, caracterizada por um buraquinho em região adjacente à orelha (veja foto). Ela é classificada em pré-auricular ou pós-auricular, dependendo de sua posição em relação ao corpo humano. É hereditária e foi identificada pela primeira vez em 1864 por um cientista chamado Van Heusinger.

Geralmente ocorre em apenas um dos lados do corpo humano, mas em entre um e dois casos de cada quatro, ele se manifesta nas duas orelhas.

Embora os portadores da condição possam ser saudáveis e até mesmo não saber que a possuem, a presença dela pode estar ligada a problemas renais, incluindo pedras nos rins, desordens do crescimento, tais como a Síndrome Beckwith–Wiedemann, e perda da capacidade auditiva .

Além disso, os furinhos ("sinus" quer dizer, seio, cavidade e "auricular" quer dizer relacionado a orelha) podem inflamar com frequência, caso em que podem exigir uma intervenção cirúrgica. Devido à proximidade com o nervo facial, responsável pela expressão facial, trata-se de um procedimento delicado, que exige conhecimento da região e precisão na execução.

A deformação é bem mais comum em africanos e asiáticos do que nos povos caucasianos (brancos).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Saúde

Estima-se que apenas um em cada 100 norte-americanos ou britânicos possua a condição enquanto uma proporção entre quatro e dez vezes maior de asiáticos e africanos possuam o sinus. Ela é causada por um defeito no desenvolvimento do feto durante o período em que o sistema branquial (chamado assim por anologia à estrutura correspondente nos peixes, que neles se desenvolve completamente e serve para respirar) dá origem à orelha.

Segundo o médico americano Noah S. Scheinfeld, apenas cerca de um terço dos portadores está consciente de sua situação, e depois de descobrirem o problema, em média, leva cerca de nove anos para procurar um médico. Nas outras situações, como dizemos, não há sintomas associados à condição.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo