A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) suspendeu nesta terça-feira, 3, a comercialização de vários remédios fabricados pela Brainfarma entre janeiro e março de 2016. A lista abrange mais de 100 lotes de cerca de 60 produtos, e incluem "campeões de venda" como Dipirona, Epocler, Amoxicilina e Doril. Apesar da proibição da venda, a Anvisa afirma que a ingestão destes lotes de remédio não causa riscos à saúde. De acordo com a Brainfarma, o recohimento dos remédios foi uma iniciativa da própria empresa ao perceber que os lotes foram distribuídos com o peso incorreto.

Não está clara, entretanto, de que forma esta pesagem incorreta afetará a saúde das pessoas que confiarem nos remédios para tratar seus problemas de saúde. A amoxicilina, por exemplo, é usada para o tratamento de infecções bacterianas.

Entre os remédios com comercialização proibida estão Amoxicilina (lotes B15M1516 e B15M1517), Coristina Vitamina C Efervescente (B16A1198 e B16A1137), Biotônico Fontoura (B16A1355), Dipirona Sódica 1g (B16A1611, B16A1612, B16A1701, B15M1981, B15M1982, B15M1983, B16A1738, B16A1739), Doril Enxaqueca (B15M1550), Epocler líquido (B15M1624), Escabin (B15M1854), Maracujina (B16A0840) e Polaramine (B16A0054).

Consumidores que tiverem dúvidas podem ligar para o telefone 0800 77 17017.

Amoxicilina já apresentou problemas antes

Esta não é a primeira vez que a Anvisa suspende o uso da amoxicilina. Em setembro do ano passado a agência decidiu recolher a amoxicilina produzida por outras três indústrias farmacêuticas. A agência argumentou que o remédio não tinha passado por "estudos de bioequivalência", ou seja, não havia comprovação de sua eficácia. A suspensão terminou em dezembro.

Brainfarma enfrenta dificuldades com a justiça

O recolhimento voluntário dos lotes de remédio é apenas um dos problemas que a gigante farmacêutica Brainfarma tem enfrentado nos úlitmos meses.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lava Jato

A empresa é uma subsidiária da Hypermarcas, companhia que está envola na Lava Jato. Em março de 2016 o diretor de relações institucionais da Hypermarcas, Nelson Mello, fechou um acordo de delação premiada com os procuradores da Lava Jato. O diretor admitiu ter pago propina a políticos do PMDB para que fossem aprovadas medidas favoráveis à empresa e ao setor farmacêutico.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo