Boa pergunta (seja lá quem perguntou!).

Obviamente a uma distância de pelo menos 20,5 bilhões de quilômetros (e contando...), a Voyager I está longe demais do Sol para usar suas células fotovoltaicas.

Felizmente, os engenheiros da nave se planejaram para essa situação. A Voyager é alimentada eletricamente por um gerador termoelétrico de radioisótopos (RTG) provida pelo Plutonium 238, um isótopo que alfa-decai com uma meia-vida de 87,7 anos. Esse RTG absorve energia térmica gerada com o rápido decaimento do PU238 (plutônio) convertendo-o em eletricidade através de termopares (dispositivos que convertem calor em eletricidade de forma semelhante à forma como a energia fotovoltaica converte luz em eletricidade).

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Saúde

Os 03 RTGs da Voyager produzem cerca de 160 watts, embora, após 87,7 anos, essa energia decaia pela metade. É assim que a Voyager I alimenta seu transmissor de rádio (e outros sistemas) para transmitir informações à Terra.

À sua distância atual, os sinais de rádio da V1 levam 19 horas para chegar à NASA (isto é, 19 horas-luz, 20,5 bilhões de quilômetros).

Uma 'pílula' de plutônio-238 se parece mais ou menos com essa "jujuba" da foto; ele brilha um vermelho forte proveniente da energia de seu alfa-decaimento.

Sobre a Voyager I

A Voyager 1 é uma sonda espacial desenvolvida pela NASA (agência espacial estadunidense), lançada oficialmente no dia 5 de setembro de 1977 planeta afora. Faz parte do programa "Voyager", que tem por objetivo estudar o Sistema Solar exterior. Dezesseis dias após a Voyager I ser lançada, foi a vez de sua irmã gêmea, Voyager II. Operando ininterruptamente há mais de 40 anos, a espaçonave ainda se comunica com a Deep Space Network para receber comandos de rotina e retornar dados. A uma distância de 140 UA (21 bilhões de quilômetros) do Sol (setembro/2017), trata-se da nave espacial mais distante da Terra, bem como o objeto artificial, - fabricado pelo homem, - que chegou mais longe até aqui.

É também o objeto mais distante no Sistema Solar cuja localização é conhecida, ainda mais distante do que os planetoides Eris (96 UA) e V774104 (~ 103 AU).

A sonda tinha por objetivo fazer sobrevoos em Júpiter, Saturno e a lua Titã. Apesar do curso da nave permitir um possível encontro com Plutão, decidiu-se que sua prioridade era explorar com maior afinco os anéis de Saturno e a atmosfera de Titã, uma enorme lua do sistema saturniano. Assim, estudou o clima, o campo magnético e os anéis de Saturno, além de fornecer imagens surpreendentemente detalhadas de suas luas.

Após completar sua missão principal de sobrevoo em 20 de Novembro de 1980, a Voyager I tornou-se o terceiro de cinco objetos artificiais a alcançar uma velocidade de escape suficiente para deixar o Sistema Solar. Em 25 de Agosto de 2012, a Voyager I cruzou a heliopausa e se tornou a primeira nave espacial a não só abandonar as fronteiras finais do sistema solar, mas a primeira a entrar no meio interestelar e estudar suas propriedades.

A missão estendida da Voyager deverá continuar até meados de 2025, quando seus geradores termoelétricos de radioisótopos deixarão de fornecer energia elétrica suficiente para operar seus instrumentos científicos.

Gostou? Compartilhe com os amigos! ;)